PLANET JARRE: COLETÂNEA SERÁ LANÇADA EM PLANETÁRIO DA ALEMANHA E JARRE DÁ ENTREVISTA SOBRE CARREIRA

Foi anunciado em agosto, por meio das redes sociais oficiais (Twitter, Facebook e Instagram), que o músico francês Jean Michel Jarre, fará o lançamento da coletânea “Planet Jarre” no dia 12 de setembro de 2018, no Planetário de Hamburgo (Planetarium) na Alemanha.  Isto será a premier de uma apresentação áudio-visual em 360° nova, que estará sendo exibida lá oficialmente para o público entre os dias 14/09 a 31/10 .

A apresentação do dia 12/09, será exclusiva para a imprensa e convidados (possivelmente com a presença de Jarre), e fãs poderão participar, mas terão que ser sorteados através de alguns concursos que serão oferecidos posteriormente.

Informação:

 

“O Planetário de Hamburgo apresenta a nova exposição PLANET JARRE em imagem e som de 360 °. 50 anos de Electronic Space Music – como uma experiência audiovisual com Estrelas, Luzes e Laser. Uma jornada para suas maiores criações musicais e playlists finais – suas Trilhas Ambientais, Temas Sequências e Explorações. Todas as faixas foram revistas, remasterizadas e retocadas pelo próprio Jean-Michel Jarre. Duração aprox. 50 minutos, bilhetes 13 euros. “

 

Mais informações aqui: https://www.planetarium-hamburg.de/de/veranstaltungen-tickets/details/planet-jarre-50-years-of-music

 

Em entrevista para o Jornal alemão “Der Spiegel”, na data de seu aniversário de 70 anos em 24/08/2018, Jarre falou:

 

E: A tempo do seu 70º aniversário você lança o álbum “Planet Jarre – 50 Years of Music”. Isto é seu legado ?

Jarre: Talvez. Eu olhei para o meu trabalho em paz, mas não queria um ‘best of ‘de discos. Para mim, deve haver um conceito por trás de um álbum. Notei que compus de quatro maneiras. Com 41 músicas eu represento meus quatro mundos.

 

E: Quais são esses mundos?

Jarre: Os “Soundscapes(trilhas ambientais)” são peças visuais e atmosféricas em estilo ambiente, com um fundo clássico. A música de “Oxygène 1” ou “Equinoxe 2” não é estruturada como uma peça longa, não como uma música. A segunda parte, “Themes”(temas), soa muito melodiosa. Melodias são as coisas mais importantes na música. Muitas vezes eu começo com uma melodia simples no piano ou teclado, organizo a música em torno dela. A terceira parte “Sequences”(Sequências), sons rítmicos e hipnóticos que se repetem, influenciados por Terry Riley e Steve Reich. Os compositores norte-americanos são considerados como os inventores da Música Minimal e, assim, criaram uma parte do DNA da música eletrônica.

O “Explorations & Early Works” (Explorações e primeiros trabalhos) é sobre minhas raízes musicais. Quando comecei a música electroacústica no final dos anos 60, não havia samplers. Acabei de usar microfones e um gravador de fita, uma tesoura cortando a fita e colando-a novamente para criar novos sons. Isso inclui uma demonstração do meu álbum “Music for Supermarkets”, do qual eu pressionei em 1983 apenas uma única cópia. Uma raridade.

 

E: Você se senta no estúdio escuro atrás de computadores e sintetizadores, como um eremita?

Jarre: Tem algo sobre isso. Depois de 50 anos de música, eu provavelmente passei mais da minha vida com máquinas do que com pessoas (risos). Sozinho no estúdio, me sinto como escritor ou pintor no estúdio. Mas também gosto de apresentar meus trabalhos com músicos no palco. É um paradoxo: aqui o estúdio solitário e lá a performance ao vivo na frente de um grande público, isto funciona !

 

E: Como especialista em espaço – você acredita em vida extraterrestre?

Jarre: Definitivamente! É arrogante pensar que o homem é a única coisa viva no universo. A terra nada mais é que uma minúscula partícula de poeira nela. Claro que ainda existe vida em algum lugar.

 

E: Você está triste por nunca fazer música com um alienígena nas gigantescas distâncias?

Jarre: Quando eu olho para alguns dos meus músicos convidados, eu acho que estou fazendo música com alienígenas (risos). Especialmente com o meu projeto “Electronica” e pessoas como Edgar Froese do Tangerine Dream, Robert Del Naja do Massive Attack ou Vince Clark. Seus talentos estão fora deste mundo. Um artista interessante é sempre um tipo de alienígena porque pensa fora da norma.

 

E: Como foi o jovem Jean-Michel, então em Lyon?

Jarre: Meus pais se divorciaram quando eu tinha cinco anos. Na minha juventude, eu não tinha mais contato com meu pai. Imagens de crianças revelam melancolia nos meus olhos. Minha mãe forte e amorosa compensou a perda. Embora eu amei ficar sozinho, eu tinha amigos na escola. Fazer contato com as pessoas ainda é fácil para mim hoje.

 

E: Sua mãe, Francette Pejot, foi ativa na resistência durante a Segunda Guerra Mundial, foi presa e sobreviveu aos campos de concentração de Ravensbrück e Mauthausen . Ela falou com você sobre isso?

Jarre: Não em detalhes. Minha mãe era uma heroína, eu a admirava. A cidade de Lyon acaba de decidir nomear uma rua em sua homenagem: Avenue France Pejot ! Isso me deixa orgulhoso. Mama era única.

 

E: que valores ela ensinou a você?

Jarre: Tolerância e respeito. E isso deve distinguir entre uma ideologia e pessoas. Resumindo: nem todos os alemães eram nazistas. Essa atitude foi uma exceção na França do pós-guerra. Por causa de suas palavras, nunca mantive  ressentimento contra os alemães. Alguns me inspiraram, o compositor Karlheinz Stockhausen, por exemplo.

 

E: como você se sente com 70?

Jarre: Bom. A vida é sobre as histórias que você experimenta e um legado que leva para trás no final. O mais importante é sempre a família. Estes são amigos para mim. Meus filhos David e Emilie.

 

 

E: Você tem um desejo especial de aniversário?

Jarre: Eu não faço grande diferença com isso. Na época do verão todo mundo está de férias, meus filhos estão zumbindo em algum lugar da história mundial. Então a festa não existe até mais tarde. Ainda me lembro de quando tive meu primeiro stand e não liguei para a minha mãe para me parabenizar no meu aniversário. Quando reclamei, ela disse: ‘Você deveria me ligar e me parabenizar – sem mim você não teria um aniversário’. Sim, é assim que ela era (risos). Mas eu retaliei e não a chamei no Dia das Mães. Ela também parecia estúpida.

http://www.spiegel.de/einestages/jean-michael-jarre-wird-70-der-elektronik-pionier-und-die-aliens-a-1223461.html

 

 

 

Um comentário em “PLANET JARRE: COLETÂNEA SERÁ LANÇADA EM PLANETÁRIO DA ALEMANHA E JARRE DÁ ENTREVISTA SOBRE CARREIRA

  • 12 de setembro de 2018 em 07:38
    Permalink

    Equinoxe Infinity 16 November 2018

Os comentários estão desativados.