ENTREVISTA – ELECTRONICA WORLD TOUR 2018 – PARTE 1

CELEBRITY ACCESS – EUA – 02/02/2018

P: Então, exatamente o quão excitado você está fazendo uma turnê nos EUA depois de tantas décadas?

JMJ: É muito estranho porque fiz um grande concerto ao ar livre nos EUA em 1986, provavelmente o maior concerto na América em termos de público, com 1,5 milhão de pessoas(Houston). Na minha vida, durante algum tempo, eu estava envolvido com shows únicos. Um que eu fiz na China, no Egito, Moscou, Paris e África e Londres. E eu não viajei tanto. Então, houve um tempo em que eu iria fazer turnês na América, mas por motivos diferentes e por causa dos meus projetos, isso não aconteceu. Então eu sempre decidia, ok, da próxima vez eu vou fazer isso.

E então eu fiz esse projeto na cidade de Nova York e também fiz um desenho de palco – algo muito especial – e estou bastante contente e desta vez eu gostaria de compartilhá-lo com o público americano. No ponto de vista sonoro e digital, é bastante novo. Como você deve saber, eu sou um dos primeiros a lidar com imagens, fazendo mapping em grandes edifícios, e então, quando vejo festivais da EDM, me lembra o eu fazia há algum tempo e, claro, se eu ‘ Vou para a América’, deve ser algo para algo diferente.

Eu tive essa ideia por algum tempo, planejando e desenhando o palco, dando uma sensação de 3D sem óculos. Eu não sabia se funcionaria, e teria um tipo de diferentes camadas de telas de cinema como telões de LED correndo, fazendo algo bem diferente. Mas funcionou muito bem, e ficamos todos maravilhados.

Nós fizemos o primeiro conceito no ano passado. Eu fiz alguns concertos nos EUA no Radio City(Nova Iorque) e no Greek Theatre(San Francisco), e fiquei tão emocionado com os comentários que recebi da audiência e de alguns de seus colegas. Então eu disse, é claro, eu quero continuar isso. Então, planejamos isso para Coachella e, em torno de Coachella, poderíamos ter algumas datas para o resto da America do Norte.

Estou muito, muito animado para tocar em Coachella. É uma grande honra. Então, irei para Dallas, retornarei para Houston, para outras cidades que eu não fiz da última vez. Eu mudei muitas coisas desde a última vez, então espero que seja bastante especial, bastante espetacular e espero que o público americano aproveite tanto quanto eu.

P: Existe uma produção diferente para a Coachella do que para os shows indoor da turnê?

JMJ: Sim, ligeiramente. Claro que é diferente para Coachella; Estou trabalhando em algumas surpresas para isso. Precisa ser diferente, caso contrário não seria divertido! E para engenheiros de iluminação e outros engenheiros, não será divertido e emocionante. Eu gosto de criar algo surpreendente mesmo para minha equipe, meu time.

O que eu não gosto é que todos entrem em uma rotina. Muitas pessoas podem fazer uma boa data e você pode ter certeza de que o dia seguinte não estará ativo porque todos estão satisfeitos e a pressão está baixa. Todo mundo pergunta sobre a noite anterior e você sabe que nada será tão preciso. Eu gosto de mudar as coisas para manter a pressão durante a turnê, de modo que cada data, todas as noites, seja especial e única.

E, para algo tão especial como Coachella, especialmente, tem que ser diferente.

 

P: Teremos que esperar outros 30 anos para a próxima turnê?

JMJ – Quando cheguei a Houston em 1986, foi o 25º aniversário da NASA e o 150º aniversário do Texas também. Aprendi que 30 anos podem passar rapidamente, mas, claro, estou gostando tanto disso e adoraria vir aqui com mais frequência agora.

De alguma forma, meu pai, Maurice Jarre, o grande compositor de música em Hollywood (ed: ganhou até uma estrela no Hollywood Walk of Fame), sempre pensei que tiraria um pedaço do país do meu pai e ele talvez não esteja aqui agora mas ele está comigo em espírito e estou bastante feliz por continuar a presença de Jarre no país, e estou bastante feliz por fazer isso.

 

P: Quem é o seu agente norte-americano para esta turnê?

JMJ WME. Marc Geiger. Ele é um grande amigo e alguém que tenho grande admiração. Estou muito satisfeito por trabalhar com um talento tão grande na indústria da música. Ele gastou muita energia e usou seu grande talento para que isso acontecesse. Estou feliz em trabalhar com alguém tão talentoso.

Fonte: http://celebrityaccess.com/2018/02/02/father-electronic-music-jean-michel-jarre-talks-celebrityaccess-first-north-american-tour-32-years/

 

 

EDM DFW – EUA – 27/02/2018

P: O que podemos esperar durante sua turnê norte-americana?

JMJ: Temos a ambição de dar ao público algo que eles não viram. Vamos  empurrar os limites com novas músicas e uma surpresa. Os efeitos visuais que trazemos acrescentarão o sentimento de 3D junto com a música. A combinação de analógico e digital será fantástica. Estou convencido de que é hora de uma nova rodada de shows únicos com base em design de som e imagens. A tecnologia está em nosso DNA, já que trabalhamos com computadores em nossa música. Não há limite para o que podemos tentar com a música agora.

 

P: Suas experiências ao vivo são de ponta. Qual é a sua performance ao vivo?

JMJ: Você sabe, quando você assiste algo online, você percebe uma falsa ideia do que está experimentando. Você tem que experimentá-lo ao vivo. Os visuais que trazemos só podem ser vividos ao vivo. Muitas vezes eu tive uma ideia do que pensei que era algo e então, quando tenho a oportunidade de vê-lo pessoalmente, é totalmente diferente, ainda melhor. Você não consegue entender como é um sistema de som através da internet. Vai será ok, mas não é a mesma coisa.

 

P: Sobre o futuro show em Dallas ?

JMJ: Você terá que sair e experimentar os visuais ao vivo. Eu tocarei em Dallas, TX em 9 de abril e depois Houston, TX em 10 de abril. O Texas foi bom para mim e nosso show em Houston de 1986, “Rendez-vous” teve um recorde de 1,5 milhão de pessoas presentes. Foi um show enorme que só pode acontecer no Texas.

 

P: O que você lembra do Concerto de Houston em 1986 ?

JMJ: Houston foi uma das experiências mais memoráveis da minha vida. Estive em Moscou, na China, na África. Bloqueamos sete a oito milhas de tráfego e tiveram luzes gigantes nos arranha-céus. Texas pensa grande. Mas foi o envolvimento com a NASA e a missão Challenger que nunca esquecerei.

 

Skyline de Houston totalmente modificado pelo concerto.

P: Você tem uma conexão com a NASA?

JMJ: O show “Rendez-vous” foi durante o 25º aniversário da NASA. A NASA é um símbolo para o Texas e o mundo. A missão Challenger foi um desastre mundial. Um amigo meu era um astronauta nessa missão. Seu nome era Ron McNair e ele iria tocar o saxaphone do espaço durante o nosso concerto. Nós teríamos música tocada no espaço junto com os conceitos leves e visuais que criamos.

 

P: Por favor, fale sobre esses conceitos visuais.

JMJ: As coisas que você vê nos festivais de EDM agora, os lasers e as luzes, isso me faz lembrar o que fazíamos há 25 anos. Criamos técnicas de video mapping de última geração usando o horizonte de Houston, Texas. As luzes e os lasers estavam acima do topo. Não foi feito antes.

 

P: Eu assisti um vídeo de você trabalhando com um Euro Rack. Você pode explicar mais sobre o som analógico?

JMJ: Sim, o Analog Synth Modules Rack. Desde o início da música eletrônica, começamos a produzir com som analógico. Nós tínhamos esses dispositivos enormes em uma caixa grande. Eu posso me lembrar de transportar sintetizadores em uma caixa muito grande e minha mãe diria: “Por que não um violino?” Eu adoro o som analógico. É um som profundo e grande. Trabalhar com analógico permite que você dê forma ao som passo a passo. Então a tecnologia avançou e nós tínhamos pre-sets de teclado, então os plugins agora existem controladores de DJ. Todos esses novos projetos e tecnologia que temos são baseados no que os analógicos anteriores faziam. Eu ainda prefiro algo análogo porque você pode criar algo diferente de cada vez. O contato é quase sexual ou sensual ao trabalhar com os módulos para criar esses sons orgânicos.

 

P: Qual conselho você tem para jovens músicos?

JMJ: É um conselho muito simples. Encontre seu próprio estilo. Existem tantos instrumentos e software para escolher. Após algum tempo o instrumento torna-se obsoleto. Escolha o seu hardware com cuidado. Pegue esse hardware por seis meses a um ano, conecte e aprenda. O que tornará a música específica e única é ser você mesmo. Você aprenderá a se expressar ao longo de sua música, mais você aprenderá a habilidade. A internet nivelou o campo de jogo deixando um jovem compor, produzindo em um orçamento limitado e pode ser ouvido por qualquer pessoa.

 

P: E quanto ao conselho para mais de 30 pessoas?

JMJ: Você tem que excitar a imaginação. A curiosidade é muito importante. Fique curioso. Você deve deixar a sua zona de conforto para explorar e permanecer criativo. Isso ajuda você a formar um novo quadro de referência. Se você começou com o som a última vez, comece com a batida desta vez. Mude-o e fique excitado.

Fonte: http://edmdfw.com/jarretexas/

 

AEROZONE JM.J  – FRANÇA – FEV/2018

JARRE REALIZANDO O SONHO AMERICANO

LOS ANGELES

A relação de Jarre com a América (EUA)  começa de fato bastante ruim, já que este país é o próprio símbolo da ausência de seu pai, Maurice Jarre, que deixou mulher e filho no início dos anos 50 para continuar sua carreira (brilhante) de compositor de filmes em Los Angeles, onde mudou-se em 1964. Ironicamente, para o lançamento de “Equinoxe” em 1978, um grande cartaz em um painel de Sunset Boulevard provocou Maurice Jarre sob suas janelas …

Meus pais se divorciaram quando eu tinha cinco anos de idade. Meu pai mudou-se para Hollywood e eu só o vi por apenas dois anos. “(Paris Match 1977).

Aconteceu comigo, pelo meu trabalho, mudar me para Los Angeles por alguns meses. Eu estava a menos de um quilômetro da casa do meu pai. Bem, não nos encontramos muito, exceto uma ou duas vezes no bar de um hotel próximo, para trocar observações insignificantes. ” (Libération 30/01/2010)

Na verdade, em meados da década de 70, Jean-Michel Jarre tornou-se o produtor e o letrista de Patrick Juvet para o qual ele tinha grandes ambições. Ele teve a audácia de convencer Eddie Barclay a gravar dois álbuns em Los Angeles com músicos tops; no Wally Heider Studios para o álbum “Dead or alive” (1976), então no Devonshire Studios para “Paris by night” (1977). O sol e as palmeiras da Califórnia irão inspirar Juvet e Jarre os dois álbuns que o cantor ainda considera hoje como os melhores da carreira do artista.

Anos depois, para a criação, gravação e mixagem dos dois volumes do projeto “Electronica”, Jarre também passará muito tempo em Los Angeles, incluindo o estúdio do Château Marmont e Paramount Studios, onde o compositor convida a mídia a ouvir “Electronica 1 “em julho de 2015 e assim lançar a promoção do álbum nos Estados Unidos. Ele retorna a esta cidade para promover “Electronica 2” em maio de 2016 e “Oxygène 3” em janeiro de 2017!

Além disso, Los Angeles é o lar de muitos dos colaboradores do projeto, incluindo M83, Moby, Gary Numan, John Carpenter, Julia Holter, Hans Zimmer e outros. Vários deles se reunirão em torno do compositor em fevereiro de 2017 para uma entrevista conjunta no Record Parlor, um prelúdio para a cerimônia dos Grammy Awards em que “Electronica 1” é nomeado.

“Antes, eu não ousava passar algum tempo em Los Angeles. Era o espaço do meu pai. Estranhamente, para este álbum, passei meses lá. A maior parte da criação ocorreu nesta cidade que, em sua maior parte, é caracterizada por bling-bling e palmeiras, mas vivi como um terroir familiar que me era proibido. Sem lixo esotérico, acredito que ele me acompanhou nesse caminho “. (letemps.ch 16/10/2015)

Então, na turnê do Electronica que Jean-Michel Jarre também dá um show no Microsoft Theatre em 27 de maio de 2017 e ele completa a primeira rodada de sua turnê americana.

 

NOVA IORQUE

Em 1973, um selo fonográfico de Nova York, Sam Fox, deu a Jean-Michel Jarre a oportunidade de lançar seu primeiro álbum de música eletrônica instrumental: “Desert Palace”. Era um selo de música experimental,e não haviam condições atendidas para fazer um sucesso comercial. Mas o compositor é tenaz e a América abrirá muito mais as suas portas em 1977, quando a glória virá com o seu terceiro álbum: “Oxygene”. Seguirão campanhas publicitárias e entrevistas, especialmente em Nova York.

Se Jean-Michel Jarre estava ligado aos técnicos franceses para a gravação e a mixagem de seus álbuns, ele se desloca muito cedo para os domínios americanos. A partir de 1982 e por cerca de quinze anos, ele confiou suas músicas aos engenheiros dos estúdios de Nova York Sterling Sound e Masterdisk: Jack Skinner para os “Concerts in China” (1982), “Rendez-vous” (1986), ” In Concert “(1987), bem como para as reedições desses álbuns de meados dos anos 80; Ted Jensen para “Waiting for Cousteau” (1990) e “Images” (1991), Greg Calbi para “Chronology” (1993) e “Oxygene 7-13” (1997), depois Scott Hull para os remasterizadores de 1997.

Em 1984, o compositor decidiu romper com o trabalho solitário de estúdio e procurou renovar-se novamente associando pela primeira vez a outros músicos para a gravação do que será seu álbum “Zoolook”. Depois de seus dois álbuns com Juvet no final dos anos 70, ele decidiu reconstruir a confiança nos americanos, mas joga, desta vez, suas vistas na costa leste, escolhendo o engenheiro Daniel Lazerus e o estúdio Clinton Recording em Nova York. Lá, ele se rodeia, entre outros, do guitarrista Adrian Belew, do baixista Marcus Miller e do cantor e artista Laurie Anderson, que apresentará Jarre a Andy Warhol.

“Quando cheguei em Nova York, li dei uma olhada no jornal do metrô da cidade,  Village Voice. Havia um artigo sobre Laurie(Anderson), que exibia suas pinturas, esculturas e vídeos em uma galeria. Nós organizamos uma consulta no estúdio onde o fiz ouvir suas músicas. Ela estava entusiasmada e concordou em trabalhar comigo. “

Neste momento, Nova York é a capital americana da arte e da música e a indústria discográfica está bem estabelecida. Foi aqui que, em 1985, Francis Dreyfus aprovou a gravadora criando a filial de Nova York Francis Dreyfus Music (EUA) Inc. Jarre e Dreyfus colocaram muita energia para conquistar os Estados Unidos desde o início da carreira do compositor. Em 1978, Dreyfus chegou mesmo a criar um novo selo para este mercado, Les Disques Dreyfus, porque os americanos estavam confundindo Disques Motors, o selo do álbum Oxygène com a General Motors!

Nova York também é uma etapa obrigatória no desenvolvimento do álbum “Electronica”, já que é aqui onde Vince Clarke e … Laurie Anderson vivem. Porque sim, 30 anos depois de “Zoolook”, a artista colabora novamente com Jarre para colocar sua voz cheia de mistério sobre uma composição do maestro. É também Nova York que o compositor escolhe lançar a promoção americana de seu álbum: 10 de julho de 2015, dia do anúncio oficial do próximo lançamento de “Electronica”, Jarre oferece uma audiência para os meios de comunicação convidados no Estúdio Terminus perto de Times Square. Ele retorna a esta cidade em maio de 2016 para promover “Electronica 2”.

Projetos de concertos em Nova York foram discutidos desde o final da década de 1970, incluindo o Central Park. Jean-Michel Jarre está lá no final de 2009 para fazer escala na sala do Radio City onde ele planeja dar um show como parte de sua turnê. O projeto não será feito, mas a semente é plantada … Ainda aguardará outros 7 anos, para o músico tocar neste lendário salão de 6000 assentos no pé do Rockfeller Center como parte de sua turnê “Electronica” em 15 de maio de 2017.

Fonte: http://aerozonejmj.fr/le-reve-americain-de-jean-michel-jarre/

 

LA VIOLA – 08/03/2018 – ARGENTINA

P:  Como você se lembra desse trabalho e especialmente a música “Oxygene (Part 4)”?

JMJ : Compus essa música em uma noite e nunca imaginei que chegaria tão longe. Chamei assim porque era a quarta faixa do álbum que gravei. A melodia saiu primeiro e depois adicionei as máquinas.

P: O que vamos encontrar no seu show no Luna Park?

JMJ: Estive esperando esse show em Buenos Aires há muito tempo. Será uma noite única, onde serão tocadas as músicas mais conhecidas e algumas novas. As telas gigantes não serão perdidas para que o público possa sentir algo muito especial. Eu quero que você goste de uma maneira grande. É um show tridimensional. Somos três músicos no palco.

 

P:  Em Paris, você tocou para 2.500.000 espectadores e em Moscou você quebrou o recorde com mais de 3 milhões de pessoas no 850º aniversário da cidade. Como é que está diante da multidão?

JMJ: É como um jogo de futebol. Você tem foco em um jogador que marca um gol e a plateia grita com alegria. No palco você sente a respiração de milhares de pessoas que você não conhece. A conexão com o público é importante. Você sente toda essa energia e espero experimentá-la em Buenos Aires.

Fonte:

https://tn.com.ar/musica/hablamos-con/jean-michel-jarre-la-electronica-y-lo-visual-pueden-convivir-sin-problema_855578

 

 

TÉLAM – 09/03/2018 – ARGENTINA

P: Para o show que iria oferecer no GEBA em Novembro passado e foi suspenso, você criou os gráficos e show para um lugar aberto. Desta vez você toca em um lugar fechado, isto implica em alguma mudança ?

JMJ: Este será o primeiro concerto do ano. O interessante é que eu criei desde o início o show para poder ser tocado em um lugar aberto e fechado. Mas eu adoro estar no Luna Park, porque eu posso brincar com o escuro. E isto é importante. Eu mudei algumas coisas que eu acho que serão espetaculares, entre o GEBA e o Luna, eu prefiro o segundo.

 

Fonte:

http://www.telam.com.ar/notas/201803/257991-jean-michel-jarre-musica-clasica-electronica.html

 

EXITOÍNA – 19/03/2018 – ARGENTINA

P: – Qual foi o motivo que o impediu de chegar à América Latina antes? Embora nós saibamos que, em 1991, você estava pronto para ir ao México para um recital para o eclipse do sol naquele ano.

 

JMJ : O concerto do eclipse que aconteceria entre a pirâmide do sol e da lua em Teotihuacan foi cancelado. No começo, tudo estava bem, mas o México não conseguiu cumprir os horários acordados e a verdade é que o sol não pode esperar. Para mim, sempre foi muito importante tocar na América do Sul. Não poderia ser antes de compromissos diferentes, como era na China, nos Estados Unidos ou na Rússia. É muito especial para mim e para você em termos de música, show, tipo de cidade, palcos. Estou muito feliz por começar esta série de concertos na Argentina em 22 de março.

 

P: Houve uma mudança de sede da GEBA para Luna Park para o seu show. Isso afetou seu esquema inicial de engenharia de som e multimídia?

JMJ: A verdade é que estou muito feliz pela mudança, porque o GEBA não era o lugar para mim. Desde o início eu queria Luna Park, então fiquei muito feliz com a notícia da mudança. Quer se trate de questões de cenários, sabendo o que podemos fazer, tive mais expectativas no Luna Park do que na GEBA.

 

P: Na sua adolescência você teve uma banda chamada The Dustbins, onde você era a voz e a guitarra principal. O que aconteceu para dar essa volta à eletrônica e você se tornar uma das suas maiores referências?

JMJ Eu sempre fui um grande fã de rock. Eu tinha essa banda quando eu era adolescente, mas adorei tentar o processo de som, mudar o som da minha guitarra e quando descobri que havia uma escola em Paris, a única no mundo onde eles ensinavam a criar música, não só com notas, mas também com base em em sons e ruídos, eu fui naquela direção. Eu vendi minha guitarra e fui a Londres para comprar meu primeiro sintetizador.

 

P: Culturalmente, a conexão entre a França e a Argentina é muito grande. De Carlos Gardel, Astor Piazzolla, Mercedes Sosa, Atuhualpa Yupanqui, Raúl Barboza a Jairo, que principalmente chegaram a França fugindo da ditadura. Quanto você sabe sobre eles e sua arte?

JMJ: Carlos Gardel é uma lenda, de fato, ele me faz lembrar de minha mãe (France Pejot) que gostava. Astor Piazzola tem sido importante no meu mundo, fazia sentido quando era estudante, revolucionou o tango, realmente único. É intemporal. Você sabe, o que me interessa sobre a música é essa mistura de alegria, prazer, tristeza e melancolia e isso é maravilhoso em Astor Piazzola. Eu amo esses estados. Astor Piazzola fez tango não só para argentinos, mas é universal. Segui tudo o que aconteceu no regime militar do seu país. A Argentina é um lugar com o hábito de grandes encontros, ótimos vinhos e com uma história de tempos políticos e sociais que foram muito difíceis. Como você disse, houve uma excelente conexão entre meu país e a Argentina.

 

P : O que se segue após a sua passagem pela Argentina e o Chile?

JMJ: Após os shows na Argentina e no Chile, vou passar dois dias no México, depois vou começar nos Estados Unidos: Texas, Dallas, Houston e Coachella nos dias 13 e 20 de abril, Vancouver, Seattle e San Diego.

 

P: O retorno do formato de vinil é uma moda ou ela veio para  ficar definitivamente e quais as implicações que o seu reaparecimento tem nas ações implementadas pela CISAC?

JMJ: É uma questão realmente interessante, é uma questão ligada à luta na CISAC. A CISAC está promovendo os direitos dos criadores e comprando da maneira que foi comprada antes. O disco de vinil é de grande valor, é um sinal do valor da música, da arte, da interpretação e da observação da técnica criada para o vinil. Conseqüentemente, a luta da CISAC tem a ver com o fato de que o valor do trabalho de vinil não é apreciado hoje. E o que é mais, meu próximo projeto é obter minha discografia em vinil, CD e cassete, porque acho que a cassete é um suporte muito interessante. O interessante hoje é que você pode usar qualquer formato e é o que é valioso quando promove nossa música.

 

Fonte: http://exitoina.perfil.com/2018-03-19-510713-jean-michel-jarre-gardel-es-una-leyenda-me-recuerda-a-mi-madre/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *