JARRE E SUA COLEÇÃO DE RELÓGIOS

Jarre (nos anos 90) e sua coleção de relógios

Em reportagem no site da revista francesa de moda e comportamento masculino, “Monsieur“, fala sobre a coleção de relógios que o músico francês Jean Michel Jarre possuiu por vários anos. Jean Michel Jarre adora os relógios eletrônicos originais e de múltiplas funções que coleciona aleatoriamente de suas viagens pelo mundo. O famoso músico é um grande colecionador, uma paixão que possui a vida toda e não é um mero colecionador comum. Pela foto que acompanha o texto é possível que esta reportagem tenha sido feita no começo dos anos 90.

 

Tudo começou para ele no início da década de oitenta com a era dos relógios de quartzo com LCD digitais e os fantásticos avanços da eletrônica. Ele que não gosta de velhos relógios de ouro, exceto o seu antigo Boucheron e Reverso Gold e Steel, e está apaixonado por alguns gadgets, mas na verdade são apenas réplicas modernas para as grandes complicações tradicionais. O que ele gosta sobre esses mini computadores de pulso são suas múltiplas características e seu design ultra moderno.

 

Um grande amantes de novos formatos e estéticas, Jean-Michel Jarre tem a série de Lip criada pela Talon, o muito raro Pulsar Tiffany, cujos números só se acendem quando você gira seu pulso,o Junghans Mega 1 controlado por rádio, considerado um dos relógios mais precisos que existe no mundo, o Casio comprado durante suas viagens ao Japão que o fascina por sua criatividade. Seu relógio favorito, aquele que ele usa quase todos os dias, é um Seiko criado para pilotos e chamado Sport Tachymeter 100. Um relógio também muito popular hoje e cujas chances começam a aumentar. Oferecido em três cores de prata, cáyas e pretas, é muito difícil de encontrar. Ele ainda não conseguiu obtê-lo na versão dinheiro, o mais raro. Outra peça que é particularmente estimada para ele é um Zen em Métrina que é muito útil para ele quando ele compõe porque serve como um metrônomo, dá as medidas a dois, três, quatro e cinco batimentos. Ele comprou durante uma de suas muitas viagens a Tóquio.

 

Sua coleção também inclui peças de puro gadget, como este relógio robô transformável  que pode ser colocado em uma mesa de noite como um pequeno despertador – Digirobo Tokina – ou um Alba cronometro de alarme com muitas funções, incluindo uma que gira as mãos de segundos ao contrário que desestabiliza muitos de seus interlocutores e o diverte enormemente.

 

 

Constituído em viagens aleatórias, a coleção de Jean-Michel Jarre inclui essencialmente de relógios com  multifunções, incluindo o alarme que é essencial para ele se lembrar do que ele tem a fazer, ou os eixos duplos que facilitam a vida quando estamos em contato com o estrangeiro. Alguns Swatch também têm seu favor. Ele é um grande apreciador do conceito da marca que segundo ele corresponde um pouco ao que todo mundo quer hoje: produtos de alta costura a preços grandes. Um conceito que é o sinal de uma era. A sucessão de temas e a proliferação de séries permitem que todos tenham modelos diferentes.

Seus relógios de sonhos? Um relógio com todas as funções essenciais para um músico. Na verdade, a música é o domínio artístico mais vinculado ao tempo, uma vez que um compositor traduz unidades de tempo em som. E um Cartier Crash Watch, mas com a função de alarme, ele gosta apenas de relógios de alarme. Um projeto que gostaria de enviar aos criadores da rue de la Paix(rua de Paris famosa por seus joalheiros) …

 

Obs 1: Esta reportagem, possivelmente recuperada dos arquivos da Revista “Monsieur”, portanto, deve ter quase 30 anos.

Obs 2: Ainda durante os anos 90, Jarre e a fabricante suíça de relógios Swatch, fizeram uma parceria na qual Jarre realizou em 1992 na cidade Suiça de Zemmart, um show audição (ele não tocou ao vivo), com projeções nos Alpes Suiços. Posteriormente ele também desenhou um novo relógio para a empresa, o “Musicall” e criou uma nova melodia incorporada em outros modelos musicais entre 1993 a 1994. A Swatch também patrocinou a “Europe in Concert” (1993).

Obs 3: Em meados dos anos 2000, a mansão do artista em Croissy, foi invadida e sua coleção de relógios foi roubada. Não sabemos mais o que aconteceu depois disto.

Fonte:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 3 =