OXYGENE III – ENTREVISTA – PARTE I

cd-simples

MUSIQUE ORANGE – FRANÇA – (11/10/2016)

Jarre fala sobre o lançamento de “Oxygene 3”:

JMJ: “Eu levei o pretexto do 40º aniversário de “Oxygene” e tomei isso como um prazo para me colocar em uma posição para fazer um álbum em seis semanas, como eu havia feito no primeiro Oxygene. No meu canto e sem pressão, o disco original tinha sido rejeitado por todas as gravadoras porque não entendiam que não havia cantor nas canções. “

“Na época de “Oxygene”, as pessoas que estavam na música eletrônica eram vistas como uma faixa iluminada. Ao mesmo tempo, também houve esse tipo de ebulição de artistas, tanto no rock progressivo quanto no jazz (…) experiências com o som. Estava convencido que a música eletrônica seria a música popular do século XXI. E hoje existe uma nova geração de artistas como Daft Punk, M83, Air ou Sébastien Tellier, somos parte da família.”

Jarre fala sobre o Reino Unido deixar a União Europeia(BREIXT):

JMJ: “Isto não é tão trágico como todo mundo quer acreditar. A Inglaterra sempre teve uma atitude ambígua em relação à Europa. O lado positivo é querer acordar sem o resto da Europa.”

Jarre fala também sobre a relação da França com a Europa:

JMJ: “Eu não me surpreendo em ver pessoas afetadas pela política na França. Este não é apenas um problema do homem. Precisamos reinventar o século XXI com uma maneira diferente de governar”

 

Fonte: http://musique.orange.fr/news/jean-michel-jarre-fete-les-40-ans-d-quot-oxygene-quot-avec-un-nouvel-album-CNT000000v7ZTF.html

 

HEROLDS SCOTLAND – ESCÓCIA (13/10/2016)

Sobre tocar na Escócia:

JMJ: “Eu sempre pensei que a parte norte da Europa era a mais quente”, diz ele. “Quanto mais você vai para o Norte, mais você tem um público acolhedor e quente. Sempre me senti muito bem-vindo na Escócia, e isso dá um grande sentimento quando você está no palco.Eu estou especialmente ansioso para tocar na Escócia por causa disso.”

A química entre o artista e o público ao  estar no palco:

JMJ: “Eu sempre senti que uma performance é sempre sobre a química que você cria entre o palco e o público, não importa o tamanho de cada um. Eu sempre estive interessado em tentar conceber um espetáculo total, onde o público está realmente imerso em uma espécie de viagem ou ida. Nestes dias em que a tecnologia oferece tantas possibilidades, mas todos têm as mesmas ferramentas, esforçar-se para ser diferente é um desafio que gosto de assumir.  Eu quero compartilhar minha experiência para criar shows únicos com o público durante esta turnê. Eu quero dar a cada público uma experiência única.”

 

Fonte:  http://www.heraldscotland.com/arts_ents/14801453.Jean_Michel_Jarre_on_Electronica__working_with_Primal_Scream_and_why_he_loves_playing_in_Scotland/

N-TV – ALEMANHA – (16/10/2016)

entrev1

P: Com a turnê em andamento, quando veremos as colaborações junto com você no palco?

JMJ: (Risos) Eu não quero revelar muito. Mas essa turnê vai durar até o final de 2017, presumo que em algum ponto ou outro tempo um dos artistas aparecerá. Mas, mesmo sem os colegas, estou com uma abordagem completamente nova para os preparativos para a turnê. Eu estarei com meus músicos não só executar novas músicas, mas também incorporando no set meus velhos sucessos nos shows.E em uma forma completamente nova, é claro!

P: Isto irá agradar os fãs.

JMJ: Claro. Estou fazendo isto com amor. Na Grã-Bretanha, isto já funcionou maravilhosamente.

P: Especialmente para os fãs antigos isto faz sim, talvez com os novos fãs…

JMJ: Sim, o público são pessoas idosas (risos), as pessoas que há muito tempo mantêm a minha lealdade, mas também crianças e adolescentes, o que é particularmente bonito, me toca direitamente. E eu prometo que todo mundo vai estar lá. Mas o show! As imagens, a luz, os efeitos, acredito que pode fazer a ponte entre as gerações. Eu fui um dos primeiros  a usar todos estes efeitos visuais incluído no meu trabalho. Eu faço um cinema 3D sem que os telespectadores tenham que colocar estes óculos.

P: Oh sim, eu odeio esses óculos …

JMJ: Sim, eu teria mesmo que pagar mais pelo privilégio de assistir a um filme em 2D, então eu não irei assistir ao show com óculos! (Risos).

P: Há tantas músicas nestes discos do Electronica – não foi difícil para a turnê decidir agora quais são listadas e quais não são?

JMJ: Nem um pouco. Eu escolhi que é muito simples e possível apresentar-me sem os outros artistas. Isso não significa que nós temos que fazer perfeitamente sem os vocais, tenho músicos que também podem cantar. (Risos) E eu vou mudar tudo de novo e de novo durante a turnê um pouco. Devo de fato ficar bem à vontade. E irei fazer surpresas de vez em quando. E experimentar!! Oh, e o 40º aniversário da “Oxygène” nós celebraremos no palco.

P: Não é chato. É realmente ainda possível surpreendê-los de alguma forma?

JMJ: Ah sim, como eu me deixar ser surpreendido. Estou tão feliz na Alemanha, porque temos muito em comum só por causa da música. Eu sempre senti que sou bem compreendido. A França e a Alemanha têm uma longa história, em termos de música e cultura, e isso começou com os antigos compositores clássicos e vai além da música eletrônica hoje. Estamos preocupados com a melodia. Além disso, nós já falamos da última vez: música eletrônica não tem nada a ver com a América, não como blues ou jazz ou pop, que começou na Alemanha e na França. Filmes alemães, a arquitetura como Bauhaus e fotografia também têm uma influência tão grande em mim, por isso isto sempre com vocês e especialmente para mim.

P: Qual é a melhor coisa sobre turnês e o que é pior?

JMJ: O pior é a frustração que eu nunca consiga ficar em uma cidade por mais tempo. Gostaria de olhar tudo, falar com as pessoas que nos visitam, mas que não funciona durante uma excursão. Mas um pouco do que eu posso fazer, mas sempre, porque eu só preciso saber em que cidade eu estou, você sabe? Então eu sou melhor no palco. E também tentar entregar nem sempre o mesmo show. A rotina é mortal!

Fonte: http://www.n-tv.de/leute/musik/Der-rastlose-Jean-Michel-Jarre-article18855171.html

jarre-luz-2

B.Z. BERLIN – ALEMANHA – (20/10/2016)

P: Você gosta de techno?

JMJ: Eu gosto um pouco de certos artistas com certos estilos, Jeff Mills, por exemplo. Muito Techno, que é bom no clube, não é interessante fora dele.

P: Você gosta de ir aos clubes noturnos?

JMJ: Eu gosto de ir a clubes para recitar impressões como uma esponja, para ser inspirado.

P: Você foi no Berghain? (Nota: Famoso clube noturno de Berlim montado em uma antiga central nuclear alemã)

JMJ: Não desta vez. Mas estive lá durante a minha última visita a Berlim há três anos.

P: Qual foi o pior erro do que aconteceu com você  ao longo das turnês?

JMJ: Erros não são ruins, mas eu tive que somente aprender. Na última turnê eu pensei que poderia ser interessante trabalhar com instrumentos analógicos antigos. 50 a 60 peças que eu tinha no palco. E foi num primeiro momento um pesadelo absoluto. Há tanta coisa que deram errado.Isto foi feito e ficou muito nervoso.

P: E então?

JMJ: Eu fui descobrindo-me divertindo . Nós vivemos em uma época onde tudo tem que ser perfeito. E porque é uma grande experiência, se um velho sintetizador como uma Lady fica um pouco sem fôlego. Eu, então, simplesmente isto é desligado e ligado novamente. As pessoas adoraram. Não devemos ter medo de cometer erros.

P: Já é uma pessoa muito rica, que você não precisa trabalhar. Por que você faz isso de qualquer maneira?

JMJ: Isso é um vício. Você não faz por dinheiro ou prazer. Eu passei toda a minha vida em estúdios e no palco. Por conseguinte, não pude simplesmente parar de vez e ir pescar.

http://www.bz-berlin.de/kultur/musik/waren-sie-schon-im-berghain-herr-jarre

 

ILTA SANOMAT – FINLÂNDIA  (31/10/2016)

P: Você é o Padrinho da Música Eletrônica ?

JMJ: Se sou ? Eu deixo vocês decidirem. (Risos).

Fonte: http://www.iltasanomat.fi/musiikki/art-2000001943105.html?ref=rss

 

jarrberlim

24 HU – HUNGRIA – (11/11/2016)

P: Como você hoje pode reinventar um gênero onde os instrumentos associados à cultura do vício foi inventado há muito tempo?

JMJ: Na verdade, nós nunca inventamos nada de novo na música desde 5.000 anos, queremos expressar as mesmas coisas. Emoções: amor, felicidade, dor, paixão, ódio e morte. Não importa como nós tocamos estes instrumentos. Se for jazz, dubstep ou o que você estiver fazendo, você só quer mostrar a eles no momento.

P: Eu já li várias definições de sua música. O que você diz sobre si mesmo?

JMJ: A coisa mais importante é a criação de uma obra arquitetônica. Você pode imaginar tal paisagem, mais precisamente, como uma imagem sonora. Eu sempre achei que a melodia é a parte mais importante da música. A música eletrônica não tem nada a ver com a América, os EUA com pop, jazz, rock. Minha música vem de música clássica. Eu acho que os melhores DJs de toda a Europa estão em nossas mesmas tradições nesta música longa instrumental.

P: O que você acha sobre o futuro da música eletrônica? Existe um talento que vale a pena assistir ?

JMJ: Claro, entre as gerações mais jovens, com muitos membros que já trabalharam juntos. Você pode pensar que agora todo mundo tem a tecnologia para fazer música para todos para empurrar a mesma. Eu tenho um favorito, os britânicos Fuck Buttons. Quando eu os ouvi pela primeira vez, pensei: Uhau…eu nunca vi esta configuração !

P: O primeiro álbum Oxygene levou a você ao sucesso em todo o mundo, desde então,  o terceiro álbum Oxygene chegará as lojas em dezembro. Qual é a maior diferença do primeiro e segundo álbum?

JMJ: Eu amo  continuações: literatura, filmes, tudo, mas realmente não existe muito na música. Oxygene é muito interessante em executar o projeto sem a música, interessantes para ver elementos similares incorporados em uma outra história. O primeiro e o segundo Oxygene foram bastante polares. A luz e as trevas misturavam neles. Não é diferente do terceiro Oxygene. Um lado pintou um retrato bastante sombrio na frente de nós, enquanto o outro preferem bater os sons melódicos. O álbum foi concluído em seis semanas, o que eu realmente me importo um pouco, quase me tranquei no meu apartamento para este período para terminar a linha de trabalho, igual ao que foi feito com o primeiro Oxygene.

P: Esta é a sexta visita em Budapeste desde 1993(Europe in Concert). Você é grato para o público húngaro?

JMJ: Sim, tenho relação muito especial com Budapeste e os húngaros. Eu não estou dizendo cortesia, Budapeste é uma das minhas cidades favoritas,  lembra-me de minha cidade natal, Lyon. Como esta dualidade poderia ser visto lá, que tem o mesmo aqui também. E segundo fato  quando o álbum Oxygene  foi lançado, eu recebi as minhas primeiras cartas apreciativas da Hungria no início da minha carreira aproximadamente. Os húngaros são de caráter muito forte e eu amo este poder que recebo das pessoas.

http://24.hu/kultura/2016/11/11/az-elektronikus-zene-nem-a-drogkulturarol-hanem-5000-eves-hagyomanyokrol-szol/