ELECTRONICA WORLD TOUR – ENTREVISTAS – PARTE IV

 

electronicatour2

 

MITTELDEUTSCHE ZEITUNG – ALEMANHA (16/07/2016)

jarre-futuro

P: O compositor alemão de Hollywood Hans Zimmer o surpreendeu?

Jarre: Sim, e por várias razões. Primeiro de tudo, ele é um dos mais charmosos homens que já conheci. Hans Zimmer é um grande poeta e ao mesmo tempo extremamente profissional. Ele é louco por música e, provavelmente um dos maiores colecionadores de sintetizadores modulares de sempre. Eu o amo.

P: E como foi a colaboração com o duo suíço Yello?

JMJ: Yello é uma banda fantástica, sua originalidade sempre me impressionou. Portanto, eles estavam no topo da minha lista de desejos. Para Yello, eu tinha duas idéias: ou fazemos uma edição moderna, em ritmo acelerado de suas canções conhecidas “The Race” – ou exatamente o oposto: o saber, a sua peça lenta, fresca e sensual com uma pitada de sex appeal. Boris e Dieter gostaram desta última ideia, quando eu sugeri a eles em uma reunião pessoal. E assim foi feita a minha demo, é absolutamente perfeita com grandes sons de Boris em branco e um fluxo fantástico de Dieter Meier. É chamado de ” Why This, Why That And Why”. Meier aqui soa como um cruzamento entre Barry White e Céline Dion. Estou convencido de que, com este projeto, eu aprendi muito.

 

Fonte: http://www.mz-web.de/kultur/melt–jean-michel-jarre-widmet-album-edward-snowden-24404330

 

WHAT’S ON – REINO UNIDO – (30/09/2017)

P: Você está trazendo a sua turnê para Barclaycard Arena neste mês, Jean-Michel. O que o seu público de Birmingham pode espera de seu próximo show?

JMJ: Eu passei muito tempo trabalhando no que eu acredito ser uma cenografia emocionante. Eu sempre fui envolvido no aspecto visual do meu trabalho. É muito importante hoje em dia, com a tecnologia que nos permite ultrapassar os limites ainda mais do que quando eu comecei. É um desafio muito emocionante ser capaz de explorar diferentes direções. Nesta nova produção, eu quero compartilhar com o público uma experiência totalmente diferente do que eu fiz no passado, e também, espero, uma experiência totalmente diferente de um show normal de música eletrônica ou rock. Eu quero mergulhar o público-alvo em minha música e performance. Vou fazer o meu melhor para entregar um show que irá satisfazê-los além de suas expectativas. Eu sei o tão grande são as suas expectativas, então eu vou tentar não decepcioná-los.

P: Este é seu primeiro show ao vivo durante seis anos. Por que a pausa?

JMJ: Muito simplesmente, eu passei os últimos anos no estúdio e viajando o mundo para compor e produzir o meu álbum duplo Electronica, com mais de 30 colaboradores da cena de música eletrônica que são lendas e / ou recém-chegados, e com quem eu compartilho um DNA de música comum. Acredite em mim, ele estava longe de uma ruptura! O projeto Electronica tomou conta da minha vida nestes últimos anos, e estou muito contente por ter trabalhado com tantos músicos maravilhosos e ter feito grandes amigos ao longo do caminho.

P: Antes de sua carreira profissional, você estudou composição musical clássica e montou uma banda fashion punk, “The Dustbins”. Música Clássica, eletrônica e rock / punk são todos os sons completamente diferentes. Por que você escolheu seguir pela rota de música eletrônica?

JMJ: Eu sou um explorador, um caçador de som. Eu amo todos os gêneros de música, mas com a tecnologia, eu descobri que eu também poderia criar algo novo. Minha formação clássica foi uma grande base para compor com os sons que eu poderia gravar a partir de natureza, vozes e outros meios, criando minhas próprias anotações e um som pessoal.

P: Você tocou um incontável número de concertos em toda a sua carreira de quatro décadas. Você pode citar alguns shows particularmente memoráveis e locais?

JMJ: Isso não é fácil de responder para mim, como todos os meus concertos e shows são bastante singulares e memoráveis, mas este ano é o 30 º aniversário do concerto Houston o que eu fiz com a NASA na frente do surpreendente skyline da cidade de arranha-céus. Os concertos London Docklands também foram um dos momentos mais memorável, como foi a noite do milênio (Twelve Dreams of the Sun) nas Grandes Pirâmides. Agora Birmingham espero que venha a ser mais um grande momento!

Twelve Dreams of the Sun - 1999-2000
Twelve Dreams of the Sun – 1999-2000

P: O seu álbum, Oxygène, foi lançado por um selo independente francesa, tendo anteriormente sido recusado por várias grandes gravadoras. Quais foram suas razões para rejeitá-la?

JMJ: Na época, Oxygène foi considerado um conceito totalmente “OUT”. O que era ‘IN’ na época era Disco, hard rock e os primeiros dias do punk. E além disso, Oxygène era instrumental. E eu era francês!

P: O álbum, desde então, passou a vender 12 milhões de cópias e foi, presumivelmente, um dos momentos auge de sua carreira…

JMJ: Oxygène foi um meteoro que de fato lançou a minha carreira, e este ano é o seu 40º aniversário, para o qual eu tenho planos para celebrar, mas não posso dizer mais neste momento. Assista esse espaço!

P: O seu concerto ao vivo é algo espetacular, com sintetizadores e programas de áudio-visual em grande escala. Existem planos para evoluir ainda mais?

JMJ: Convido-vos a ver a evolução nesta turnê!

P: E, finalmente, o que o futuro reserva para Jean-Michel Jarre?

JMJ: O futuro é aqui e agora.

 

Fonte: http://www.whatsonlive.co.uk/worcestershire/interviews/jean-michel-jarre/15222

 

INFO MAGAZINE – FRANÇA – (03/10/2016)

oculos

P: Qual é o tom em sua nova turnê, os títulos dos dois volumes de Electronica?

JMJ: Através deste álbum, eu fui capaz de reunir em torno de mim as pessoas que são fontes de inspiração que estão ligadas direta ou indiretamente à cena eletrônica. Ao mesmo tempo, não foi possível trazê-los na turnê. Eu toco as músicas do Electronica e também misturo alguns de meus clássicos que eu tenho revisado a partir de Oxygene e de Equinoxe.

Na verdade, o som tem evoluído ao longo da última década. A concepção de uma música também mudou a partir de um ponto de vista acústico. Eu acho que fui um dos primeiros a integrar uma série de elementos visuais em meus concertos. É sempre algo que me fascinou.

Hoje, muitos artistas fazem. Quando eu retornar ao palco, eu não irei fazer o que já apresentei há vinte anos. Então, eu trabalhei no conjunto do projeto e eu amo misturar, as profundidades internas do ambiente com uma abordagem 3D para música e som. Mas sem óculos 3D, porque eu não gosto disso. Os primeiros ensaios tranquilizaram-me. Nós acabamos como crianças em frente de um resultado bastante extraordinário. Nós perdemos um pouco da distância e tempo, não sabemos onde a cena é. Nos tempos difíceis em que vivemos, eu realmente quero capturar as pessoas numa viagem, levando-as pela mão e levá-las fora de suas vidas diárias.

Quando você vai ao teatro, um concerto ou uma exposição, todos nós queremos ser capturados. De qualquer forma, estou muito feliz por voltar à Clermont e compartilhar este projeto com o público do Zenith de Auvergne. Sou Lyonnais, um vizinho e, portanto, estamos agora na mesma região.

P: – O concerto vai ser muito diferente de Outubro de 2010, durante a sua primeira visita a Clermont?

JMJ: Acredito sinceramente que este projeto está claramente acima. O show dura entre 1 hora e 45 a 02 horas, porque eu sempre quero fazer isso improvisando momentos como as aberturas. A viagem de um artista, é uma mistura de frustração e esperança. A frustração de não ter feito o suficiente e espero que da próxima vez será melhor. Temos sempre em si a ideia da composição e da cenografia ideal. Com este concerto, eu quero abordar por ter criado o som e trilha sonora visual que pode fazer as pessoas em seu coração e em suas cabeças. A coisa mais frustrante para mim nesta turnê, em última análise, não é estar no meio do público, para ver o que eu vi durante os ensaios (risos …).

 

Fonte: http://www.info-mag-annonce.com/journal/blog/puy-de-dome/pdd-loisirs-et-culture/pdd-lc-musique/jean-michel-jarre-emmener-gens-voyage/212764

 

 

MITTELDEUTSCHE ZEITUNG – ALEMANHA – (30/09/2016)

visitanantes2

P: Todos os artistas convidados do projeto Electronica que você convidou, disseram sim imediatamente ?

Jarre: Sim. Com exceção de John Carpenter. John disse que primeiro tinha que fazer um filme – e então se juntou ao projeto oito meses depois por conta própria.

P: Você já foi contactado antes ou depois das conversas com Snowden pela Inteligência dos Estados Unidos?

Jarre: Sim, e nós provavelmente já fomos grampeados. (Risos)

P: Uma boa explicação. Por favor, diga-nos,  você criou isto na década de 70 os seus álbuns de sucesso “Oxygene” e “Equinoxe”, precisamente numa altura em que o punk era a grande coisa.

Jarre: Eu simplesmente não tive o cuidado de saber o que mais havia. Eu fiz a música que eu queria fazer.

P: Então você não gosta de punk rock?

Jarre: Sim, absolutamente. Eu gosto de punk como eu gosto de sushi. O que quer dizer: Eu sou um tanto especialista. Eu não posso cozinhar comida japonesa ou ainda tocar punk. Mas eu sei  por vezes apreciar ambos. O que eu realmente amo no entanto, é o jazz. Porque Jazz gira principalmente em torno de sons. Não canções, mas sons. Os músicos de jazz são loucos sobre explorar as possibilidades de som de seus instrumentos. Portanto, me sinto muito conectado a eles.

P: Sr. Jarre, você está em Dusseldorf: Quem, então, é o inventor da música eletrônica? Você ou o Kraftwerk?

Jarre: Bem, você sabe, isso não é uma competição. É sobre algo comum. E nós – os membros do Kraftwerk e eu,  todos viemos da mesma geração. E ambos os lados se vêem como arquitetos de sons e  música.

Fonte: http://www.wz.de/lokales/duesseldorf/jean-michel-jarre-der-kreative-prozess-ist-wie-eine-sucht-1.2285916

 

 

RP ONLINE  – ALEMANHA – 06/10/2016

enrev

P: É verdade que você  é um grande fã de cinema?

Jarre: Sim, sim. Eu assisto todos os dias ao menos um filme. Não durmo muito, quatro horas pra mim já basta como exigência mínima de meu corpo.

P: Grandes diretores favoritos ?

Jarre: Oh, então .. Godard, Fritz Lang, Visconti e assim. Não é uma pergunta boa… Kubrick e Fellini já me chamaram…

P: Escritores favoritos ?

Jarre: Stendhal, Garcia-Marquez e Houellebecq. Próxima pergunta.

P: Por que a  música eletrônica e sons da França são mais quentes do que na Alemanha?

Jarre: Na Alemanha, as máquinas estão no centro. Como o Kraftwerk. Nós na França temos um acesso impressionista, precisamos de melodia. A melodia é sempre o centro, nem batidas ou sons. Esta é uma tradição que ainda existe hoje, até artistas como Sébastien Tellier e Daft Punk .

P: Você uma vez descreveu sua música como uma versão feminina do Techno. Então você tem que falar sobre isto, é claro.

Jarre (Sorrindo): Realmente eu não sei mais, a música eletrônica tem muito Yang, é muito masculina. Estou tentando fortalecer o Yin, de modo que o lado feminino venha comigo com o yin e yang devendo ser consistente ….

P: Sr.Jarre, já foi dito tudo sobre o Pop ?

Jarre: Esta pergunta é feita em cada década. Nós, seres humanos sofremos da síndrome nostálgica, nós pensamos que isto é uma questão de idade, mas isso não é verdade ..

P: Por que você ainda faz concertos ?

Jarre: Porque eu quero fazer o ar vibrar.

Fonte:  http://www.rp-online.de/kultur/jean-michel-jarre-laesst-die-luft-vibrieren-aid-1.6307453

 

FRANKFURTER NEUE PRESSE – ALEMANHA – (11/10/2016)

jarre-alemn

P: Você foi o primeiro músico pop ocidental que tocou música eletrônica na China. Isso foi muito antes da era da internet. Como você planeja suas turnês hoje?

JMJ: Eu toquei durante o verão no Festival Sonar em Barcelona e no Festival de Jazz de Montreux. Nestes concertos eu pude experimentar o que funciona e o que não funciona. Os ensaios reais para a turnê, vieram em seguida, na Arena National Forest, em Bruxelas, que estava vazio no momento. Poderíamos por duas semanas experimentar e ensaiar tudo em paz, com instrumentos analógicos e digitais. Hoje em dia, você pode conectar dois mundos harmoniosamente juntos: um theremin dos anos 20 e um iPad. Além disso, eu estive pensando sobre o uso de vídeos 3D em meus shows, mas sem óculos. Este show é muito mais profundo do que com óculos. A música tem por milênios sido uma forma de arte tridimensional, trata-se de vibrações, em torno da audiência em uma sala. Eu trabalho com uma notável equipe de vídeo nova que tem algumas peças de “Electronica” e muitos dos meus clássicos adequadamente visualizados. Quando vi o resultado, pela primeira vez, eu foi capturado. É realmente funciona.

P: Você tenta ser necessariamente sempre inovador com os seus shows?

Jarre: Para mim, eu me surpreendo mais. Quando comecei a dar concertos, eu era um dos primeiros que trabalhavam com elementos visuais. Quando vou a shows de outros artistas hoje em dia, muitas vezes tenho a sensação de ter visto muita coisa  em meus próprios shows há 25 anos. Então, se eu desenhar um novo show no palco, eu não vou repetir-me. Não porque eu amo querer ser um inovador, mas porque eu realmente amo criatividade. O display 3D sem óculos não é realmente novo, mas sempre depende do contexto. Na música, temos apenas doze notas, mas você pode reinventar-se como um artista novo.

P: Imagina-se em seu estúdio como um museu de instrumentos musicais eletrônicos. Lá se parece realmente um museu ?

Jarre: Exatamente. A diferença é que você não pode tocar em nada em um museu, mas para mim é um incentivado.

P: Explorar mais como artistas ou como compositores?

Jarre: Francamente, estou muito ocupado para pensar sobre o meu papel. Eu preferiria testar estas partes da turnê com o público, para que eu possa-me divertir o que tenho visto nos ensaios.

P: Quão difícil é para você montar um set list quando você tem uma gama enorme de composições ?

Jarre: Isso é muito complicado. Muitos dos meus funcionários e músicos  sempre me falam sobre as mesmas coisas que eu quero. Eu me vejo realmente nesta responsabilidade. Eu presto atenção principalmente no humor e drama ao criar um set list. Eu acho que a seleção de músicas é em grande parte responsável pelo sucesso de uma performance. Nesta turnê eu vou tocar algumas peças que eu tenho há muito tempo que deixaram de ser listada como coisas novas que existem em qualquer álbum. Eu pretendo reproduzir meus clássicos como “Oxygene” e “Equinoxe” no som de hoje. Claro que eu também vou tocar algumas faixas dos álbuns “Electronica”.

Fonte : http://www.fnp.de/nachrichten/kultur/Jean-Michel-Jarre-bringt-neue-elektronische-Klaenge-in-die-Festhalle;art679,2260186