ELECTRONICA WORLD TOUR – ENTREVISTAS – PARTE III

electronicatour2

E MUSICIAN.COM – EUA – 8/07/2016

P: O que o significado da palavra “electronica” simboliza e encapsular para você?

JMJ: Eu sei que ‘electronica’, especialmente nos EUA, é um gênero da música eletrônica ligada aos anos 90, uma palavra usada para marcar a diferença entre a dance music pura e música para não dançar na pista. Mas a ideia para mim não foi influenciada por isto. Para mim, a palavra é dividida em duas partes: ‘eletrônico’ e a letra ‘a’. O que eu estou realmente tentando com este conceito é  personificar a musa que poderia ser a neta de Elektra e  que ela tem tudo a ver na mitologia, que é um link para energia e a luz e tudo isso. Portanto, ela é a irmã mais nova de Elektra no século 21.

Jarre e Julia trocam gentilezas formalmente em um hotel em Los Angeles
Jarre e Julia trocam gentilezas formalmente em um hotel em Los Angeles

P: Existe alguém  neste projecto que foi sua musa?

JMJ: Para “Electronica” eu encontrei minha própria musa em Julia Holter. Ela trouxe essa mistura de inocência, mas também por ser muito ligada em dispositivos eletrônicos. Ela fez algumas faixas gravando nos terraços de cafés e fazendo canções de ruído, mas ao mesmo tempo ter neste mundo etéreo bastante assombrado entre Laurie Anderson, Bjork e Kate Bush, mas em um sentido mais Spacey. Então eu pensei que ela estava simbolizando o que este personagem “Electronica” tinha em mente.

Fonte: http://www.emusician.com/artists/1333/jean-michel-jarres-electronica-2-the-heart-of-noise/58789

 

OCTOPUS MAG – FRANÇA – SET/2016

P: Olá Jean-Michel Jarre. Este verão você preparou sua próxima turnê com uma série de festivais pela Europa. Como foi essa “preparação”?

JMJ: Esta turnê por festivais foi bastante agradável, especialmente após cinco anos de trabalho de estúdio! Além do imenso prazer de ver o público, estou realmente orgulhoso de ter compartilhado com eles uma produção visual e sonora que eu tinha “chiado” para melhor pegá-la e responder às suas expectativas. Eu tenho muito respeito por aqueles que vêm, que compram bilhetes através destes tempos e para a economia em geral … Estamos a  200%.

foto estudio jarre

P: Após sua ausência de 6 anos no palco, como você se sente antes de embarcar em uma turnê mundial por dois anos?

JMJ: Sim, espero dar alegria e felicidade em uma noite para aqueles que vêm para compartilhar um momento comigo … Eu diria que, em conjunto eles passaram um momento fora do tempo, fora de um grande momento diário! Isto é o que me motiva: inventar uma máquina para ser perdida no tempo, sentir emoções e dar o melhor de mim mesmo, quanto mais próximo de um palco onde todos nós viemos para escapar um pouco de tempo por uma noite.

Eu, obviamente estou cada vez mais nervoso, mas os festivais neste verão me deram força e convicção que eu ainda possa surpreender, onde se poderia imaginar que eu tinha feito de tudo!

baco3

P: O que o levou a música ?

JMJ: Embora eu sempre tenha tentador fazer outra coisa com a minha vida, a música está enraizada em meus genes! Seguindo os passos de meu pai, que ganhou fama em Hollywood e o reconhecimento em todo o mundo por sua música … Mesmo que eu fosse criado bem longe dele nos subúrbios de Paris só por minha mãe, eu não rejeitara a música de princípio … pelo contrário, a genética é mais forte, eu não poderia fazer o contrário. Meu avô, Andre Jarre, inventor da Teppaz *, foi muito presente em minha vida mesmo depois que meu pai partiu para a América, meu avó me influenciou muito. Ele abriu meus olhos, ouvidos e curiosidade sobre a união da tecnologia e da música, a inventar meu próprio violino para exprimir o meu próprio som.

P: Precisamente você é um pioneiro da música eletrônica mundial, inspiração para muitos artistas. Mas quais são as suas referências?

JMJ: Eu foi influenciado desde cedo pela música clássica, incluindo as técnicas de harmonia e contraponto, eu também estudei no conservatório quando adolescente. O Jazz, música da liberdade e da habilidade e paixão da minha mãe, tem me sossegado toda a minha vida. Também foi tocado por rock, punk e tendências muito atuais.

Na verdade, eu amo a música tanto que eu sou influenciado em cada momento.

Artistas tão diversos como Ligetti, Stravinsky, os Beach Boys, David Bowie ou Chet Baker estão entre as minhas múltiplas influências. A geração jovem me inspira a continuar no meu caminho.

P: Exatamente, o que você acha desta “nova geração” de música eletrônica?

JMJ: Hoje, a música eletrônica está em toda parte e há tantos gêneros e subgêneros. Acho que na cena francesa geral é muito interessante, com artistas como Rone, Gesaffelstein, Arandel ou Spitzer. E não esqueça aqueles que já estão instalados, tais como Justice e Vitalic oferecendo coisas novas.

P: O que você acha que é a força da música eletrônica?

JMJ: É verdadeiramente sem fronteiras, sem barreiras de gênero porque inclui música, variedade, techno, dance … .É um violino em si. Finalmente, todos nós podemos expressar-se através da eletrônica nos dias de hoje.

P: Quais artistas e músicas você está ouvindo agora?

JMJ: Eu amei o último álbum do Radiohead. E ultimamente, eu amo Jon Hopkins, Simian Mobile Disco, Eric Pryds, Caribou, Kiasmos ..

P: No palco, você também foi um dos primeiros a transformar um concerto em um show, não só audível, mas visual. Como você chegou aqui?

JMJ: No início da minha carreira, eu me encontre um pouco a sós com meu teclado e meus sintetizadores para compartilhar minha música instrumental. E não era uma visão muito atraente. Em seguida, ocorreu-me a ideia de dar uma “visão” para a minha música e deixá-la falar ou ressoar além da minha pessoa. De como soaria na rua ou em um distrito da cidade … De “falar” para as pessoas. Nasceu o conceito de “cidades em concerto”, e eu tinha grande prazer em combinar algumas de minhas outras paixões, como a arte gráfica e arquitetura com tecnologias do nosso tempo, desviandos para servir a “pontuação visual” da minha música.

P: Explique a importância do aspecto visual de seus shows?

JMJ: Hoje em dia pode-se ouvir música em todos os lugares … Mas quando é que iremos “ver” um concerto, parece-me que isto deva proporcionar uma outra experiência sensorial, você tem que viajar como ouvinte-telespectador. Eu não sou um cantor, eu rapidamente percebi que eu tinha para substituir a atração de tocar como cantor por outra forma de entretenimento. Devo deslumbrar e surpreender o público em conjunto, devemos oferecer-lhe uma fuga, uma experiência. Isto é o que eu me dou como um objetivo: as pessoas devem tomar bronca e abrir os olhos.

Moscou
Moscou 1997

P: Em Moscou , 1997, você quebrou o recorde de publico com 3,5 milhões de pessoas. Você está planejando quebrar esse recorde algum dia?

JMJ: Saiba que ninguém se levanta de manhã dizendo que ela vai quebrar recordes – exceto os Jogos Olímpicos que na verdade é uma obrigação!

Eu não estou justificando que tanta gente venha  e compartilhe o que eu tenho para oferecer, o que se cria. Eu sou o primeiro a ficar surpreso … Mas é um prazer saber no final da noite que eles são muitos e também vieram. Continuo convencido de que os eventos de coleta culturais são bem-vindos e esperados pelo público. Infelizmente, por estes dias, os acontecimentos recentes não incentivam esse tipo de encontro festivo.

P: Como você se sente em ser um dos embaixadores mais influentes da cultura francesa através do mundo?

JMJ: Estou extremamente orgulhoso de ser francês e de ser visto como um embaixador para a influência da cultura francesa através do mundo. Nosso país é um grande país que evoca muita positividade no exterior, até hoje. Nós todos devemos estar conscientes e olhar o orgulho de continuar a construir uma França forte, que vai manter este lugar no mundo.

P: Se você tivesse que resumir em três palavras a sua turnê Electronica, o que o público deve esperar?

JMJ: VIAGEM, FUTURISMO E NOSTALGIA.

Fonte: http://www.octopusmag.fr/jean-michel-jarre.html

 

SPARSE.FR (FRANÇA) – 19/09/2016

P: Sobre a ausência do Daft Punk e do Justice, dois grandes grupos eletrônicos franceses no projeto Electronica ?

JMJ: Poderíamos fazer uma lista de pessoas que não estão em Electronica e que eu amo. Em um ponto que tive que parar. Quando eu comecei este projeto o Daft Punk estava lançando “Random Access Memory”, que era o oposto no conceito de que eu estava fazendo. Daft Punk, estava tomamos outros rumos na nossas distâncias da eletrônica, retornando ao Disco, 70s, etc. Isto não se encaixa em tudo em termos do projeto, mesmo que, é claro, eu adoraria trabalhar com eles. Quanto ao Justice, estava trabalhando em seu álbum,e não poderia ser feito, mas eu amo Xavier (de Rosnay, um membro da dupla de Justice), falamos sobre muitas coisas … É verdade também com Chemical Brothers, por exemplo, que poderia ter estado lá. E Deadmau5 … Eu também não queria, nas palavras de Benoit Sabatier do Technikart, um “álbum que nunca termina.”

P: Eu ia lhe perguntar: haverá um terceiro álbum?

JMJ: Não. (Risos) Agora eu estou fazendo uma pausa.

jarreelectrico

P: Vamos falar da tradição francesa da música clássica. Você vai tocar no Zenith em Dijon, por que não no l’Auditorium? Você acha que a sua música, depois de todo esse tempo, pode ter seu lugar em salas grandes, ou você prefere os locais mais populares?

JMJ: Quando eu disse que a música eletrônica era a música clássica, isso não significa que tem que ser tocada em lugares onde tocam música clássica. Por que não, mas hoje eu prefiro ser tecnologicamente no Zenith de Dijon, em vez de l’Auditorium, por muitas razões. Primeiro eu fui um dos primeiros a incorporar elementos visuais na música e, portanto, uma sala como o Zenith é tecnicamente mais adequada. Mas eu acho que no l’Auditorium, também se pode tocar heavy metal, techno …

P: Eu colocarei  a questão de forma diferente: são as pessoas que se importam com esses lugares de “boa música” estão prontas para recebê-lo?

JMJ: Você tem que perguntar a eles! Para dizer a verdade eu não me importo um pouco, mas acho que sim porque vemos Jeff Mills brincando com uma orquestra sinfônica ou Rone que irá tocar no At the Philharmonic em janeiro. Embora a música esteja em toda parte. O que é muito interessante quando se fala sobre a música “séria”, música contemporânea, no momento, que não dizer muito, a música de Xenakis, Boulez, foram considerados o avant-garde. A definição de avant garde é ser clássico 30 anos depois. Mas quando você houve essa música, há uma tendência para pensar em 60-70 anos, em vez do século 21. É a música que não é a música clássica hoje. É a música que é quase vintage, parte do passado, enquanto Stravinsky foi pioneiro: 30 anos depois, tornou-se convencional. Hoje, quando ouvimos AIR ou Rone, não há diferença com a música clássica.

P: No palco, o que pode dar, Jean-Michel Jarre sozinho, sem os convidados que construiram o álbum com ele?

JMJ: Desde o início, eu disse a mim mesmo que eu não ia me colocar paus nas rodas e depender de colaborações de palco, porque todo mundo tem sua agenda, seus planos… como Moby quem não quer fazer um show a mais de 50 km de casa. Então eu acho que nós vamos fazer algo juntos quando estivermos em Los Angeles. Existe peças suficientes para que eu possa tocar com meus músicos no palco. Mas eu acho que ao longo do tempo, muitas pessoas estão muito dispostas a se juntar a mim, mas isso depende da turnê e isso será feito aos poucos. O Zenith de Dijon, que está na minha região eu quero fazer algumas coisas especiais, em particular, eu me forcei a essas partes não são improvisadas que podem mudar a cada noite. A outra coisa é o visual. E na minha música, eu sempre gostei de criar ilusões no som, ilusões auditivas … no palco, eu adoro mostrar essas projeções 3D sem óculos. Tenho uma equipe comigo, caras muito fortes. Quando fiz os primeiros testes, foi além do que eu imaginava. mais de onde estamos não é conhecido, isto quebra o retângulo do palco, eu não posso esperar para compartilhá-lo com o público de Dijon.

france info

P: Você também é designer de som para o canal France Info.

JMJ: Foi um desafio e uma surpresa. É, no fundo, um pouco como uma trilha sonora de filme. O que os faz coisas especiais é que isto foi composto para um canal de notícias de rádio, que já está estabelecido na França e com uma identidade muito forte. E isto tem que funcionar com sua irmã, o canal de TV. Espera-se que você encontre algo que seja usado nos dois lados em uma sintonia fantástica e não mais do mesmo ou tendendo apenas para um dos lados. Eu encontrei-me em um papel de mediador entre duas tribos estrangeiras suficientes emocionais que são as pessoas ligadas na TV e aquelas ouvintes do rádio. Serviço ao público e muito mais. Estas composições funcionaram bem de imediato e foi menos dolorosa do que eu imaginava. No serviço ao público, existem alguns aspectos muito interessantes: em primeiro lugar o lado Shadok e kafkiano e, por outro lado, há o fato de que não se deve esquecer que a música eletrônica deve muito ao rádio. Stockhausen a rádio alemã, Kraftwerk ao laboratório da BBC e é claro, o serviço de pesquisa da ORTF. Muitas vezes, é um equívoco do serviço ao público, quando na verdade todas as notícias vieram historicamente a partir daí. Após a operação e o sistema é outra coisa. O novo canal France Info é bastante inovador no plano de fundo, o conceito visual, pontes com rádio e internet … Não há equivalente no mundo, será apreciado mais tarde.

P: Por um tempo, tivemos a impressão de que a imagem tinha precedência sobre a sua música. Houve um excesso. Qual é a sua opinião sobre este período no final de 80 e início de 90?  

JMJ: Eu acho que é verdade, houve uma década de excessos na vertigem do rock and roll eventualmente. Eu encontrei-me com este formato de produção, mas inconscientemente. Me foi oferecido coisas cada vez maiores, que nunca haviam chegou a mim, mas como um quarto de criança quando nos propõem fazer um concerto no pé das pirâmides você acaba dizendo, “Bem, sim nós vamos fazê-lo! “

P: Você pode falar sobre o período Foggy Joe , Jammie Jefferson e 1906 ?

JMJ: Quando saí do GRM (início dos anos 70) , entrei no mundo das gravadoras e estúdios que eu de alguma forma piratiava para fazer o trabalho prático. Quando eu descobri todos esses meios, tomei a oportunidade de experimentar a morte, como entrar em uma caverna de Ali Baba. Foi-me pedido criar  canções pop e eletrônica. Eu queria fazer esta ponte entre o experimental e  o pop.

P:.. e descobrir que há coisas ainda relevante hoje nestas obras. Você também ainda acha?

JMJ: Faz um tempo que eu não ouvia. (Risos) Sim, sem dúvida, há um lado muito “áspero” lá dentro, uma dose de inconsciência e pureza, quando  fizemos todo este material …

Fonte: http://www.sparse.fr/2016/09/19/jean-michel-jarre-on-est-des-animaux-analogiques/

 

INFOS – DJON – FRANÇA ( 17/09/2016)

entrevi

P: Você retorna ao Zenith de Dijon em 26 de novembro. O público de Dijon é,  claro, o melhor público?

JMJ: “Você sabe, eu sou da área. Pura estirpe Lyonnais(nascido em Lyon), mas eu tenho a família e os amigos em Lyon, na Bourgogne, não muito longe de Dijon. Eu também tenho memórias de infância aqui. Então eu conheço Dijon, e eu admito que não são fáceis de pegar. Mas é bem verdade. Há outras cidades que, corrigindo, não vou mencionar, ou é muito mais fácil, mas no dia seguinte o público se esquece. Isto não é o caso com o povo de Bourgogne. Uma vez conquistados, eles criam uma relação calorosa. Espero encontra-los no dia 26 de novembro “.

 

Fonte: http://www.infos-dijon.com/news/dijon/dijon/dijon-jean-michel-jarre-le-public-dijonnais-est-un-public-fidele-et-chaleureux.html

 

L’ALSACE – FRANÇA –  (23/09/2016) (AQUI)

Jarre ao vivo no Sonar-Barcelona 2016.
Jarre ao vivo no Sonar-Barcelona 2016.

P: Em sua estreia, você ficou hesitado entre a música e a pintura: a combinação de som e visual sempre foi óbvio?

JMJ: Para mim, a música eletrônica tem algo semelhante a pintura abstrata, misturando texturas, materiais, de modo realmente muito orgânico e sensual. Isto é visto no desenvolvimento de festivais como o Sonar (nota: em Barcelona), que combinam música eletrônica, exposições, seminários, debates sobre os modos de expressão relacionadas a era digital. Fazer uma vitrine para o visual não diminui o interesse da música. Hoje você pode ouvir em toda parte. Eu acho que se nós formos a um concerto, é para uma expectativa visual. Nossos avós foram ouvir Trenet ou Piaf, os nossos filhos vão “ver” Coldplay …

P: Os concertos ao longo dos anos tem sido como parte de seqüências programadas ou uma verdadeira interpretação “ao vivo”?

JMJ: Para a turnê “Tour Oxygene” (nota: em 2008), eu tive a ideia de refazer Oxygene sem um computador, sem o sequenciador, quase como um quarteto clássico,. Hoje existe um monte de sequenciadores, o “violino” evoluiu, mas estou acompanhado por dois músicos muito ativos. Algumas peças são totalmente improvisadas, elas serão diferente a cada noite. Eu valorizo  esta mistura. As máquinas libertará-nos para tocar alguma coisa ao vivo. A tecnologia atual permite tirar o melhor dos dois mundos: as melhores máquinas e o melhor que você pode dar ao vivo.

P: Você também tem a sensação de que a França não o reconhece como deveria?

JMJ: Eu ainda não vou me queixar! Quando temos a oportunidade de experimentar um caminho internacional, há sempre divergências com o país de onde você vem, é como histórias de família. E em todas as áreas onde não está exposto, há sempre pessoas que gostam do que você faz menos. Temos de aprender a aceitar. Eu me sinto muito privilegiado por ver as pessoas que me seguem, mesmo depois de 40 anos de carreira, na França assim como no resto do mundo.

http://www.lalsace.fr/actualite/2016/09/23/jean-michel-jarre-une-boucle-electronique


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0