ELECTRONICA II – THE HEART OF NOISE – ENTREVISTAS – PARTE 3

 

EL PAIS – BARCELONA (ESPANHA) – 29/04/2016

espana-entrev

EP: É quase obrigado  perguntar o que é o Coração do Ruido (Heart of Noise, título do novo Electronica)?

JMJ: Eu sou um discípulo de Peter Schaeffer, fundador da música concreta, e dele aprendi que fazer música é classificar ruídos. O ruído é o centro de toda a música mesmo que a palavra possa parecer pejorativa. Você pode sair com um gravador e gravar qualquer som e, em seguida, criar sua música com eles. Stockhausen já mesclava conversações, não é nada novo.

EP: Como será o concerto no próximo Sonar 2016 ?

JMJ: Eu não sei. Estou experimentando coisas novas. Mas eu pensei em 3D, mas sem óculos é impossível e se você trabalhar no cenário dentro da extremidade é como uma ópera digital. Eu também estou muito curioso para ver com será o concerto.

EP: Em seu novo álbum você recupera muitos sons analógicos, prefere o digital?

JMJ: O instrumento não é importante, o que importa é o que você expressa com ele. Se você não tem o melhor sintetizador então irá ser um bom músico. Você pode usar tambores africanos ou sofisticações digitais, tudo é válido para expressar uma ideia e o que perdura é a ideia.

EP: No ritmo ou uma melodia?

JMJ: Uma das essências da música é conseguir chegar ao fundo da pessoa e colocá-la em movimento, faze-la dançar, mas a melodia é o que realmente expressa o sentimento. Nós tendemos  pensar que a música eletrônica só é adequada para pistas de dança e, ao vez disso, podemos expressar muito mais.

EP: Seria difícil terminar a entrevista sem falar de Charlotte Rampling.

JMJ: O que posso dizer! Ela é a mãe dos meus filhos e minha melhor amiga e isso é importante para mim, porque é fora do mundo da arte em que me movo. Ela é uma atriz que conseguiu ficar de fora das diretrizes de Hollywood e imprimir sua personalidade para qualquer trabalho, embora fora do grande público , exibindo-se em circuitos reduzidos.

http://ccaa.elpais.com/ccaa/2016/04/28/catalunya/1461870324_586561.html

 

 

NOUVELLES DU MONDE – (França) – 11/05/2016

Falando sobre o relacionamento com o pai, Maurice Jarre:

Pai e filho, músicos talentosos
Pai e filho, músicos talentosos

JMJ: “Ele foi fazer trilhas sonoras de filmes em Hollywood, muitos filmes que eu não via. Na época, compositor de trilhas sonoras eram uma profissão de especialistas, não eram vistos como um pop star como hoje. Eu não sabia o que ele estava fazendo ali, ele não falava com a gente. Uma infância sem pai de seu único filho, de modo que havia conflitos ou rebeliões. Não é fácil, realmente não é fácil … Felizmente, minha mãe sabia tocar muito sutilmente o papel de ser mãe e pai. Sem ser abusiva, com humor e integridade. Ela faleceu em abril de 2010 poucos meses depois do ex-marido. Ela nunca se casou de novo, ao contrário do meu pai. Minha meia-irmã Stephanie (filha de Dany Saval e Maurice Jarre,) teve mais sorte. Ela foi criada pelo padrasto  o apresentador Michel Drucker. Ela teve sorte de ter um amor de pai. Menos para mim e eu há muito tempo julguei mal este desalinhamento, esse desequilíbrio fundamental “.

“Hoje  eu me sinto em sintonia comigo mesmo como não estive antes. Estou com todas as minhas feridas curadas, especialmente desde a morte de meu pai. Eu coloquei um tempo para corrigir o meu problema com ele. Hoje posso dizer que tenho respeito por ele e eu o amo. “

Assim, sem olhar para trás, Jean Michel Jarre vai ao longo dos anos tentando encontrar pais substitutos:

” Pierre Schaeffer , foi o meu primeiro pai espiritual.”

“Meu primeiro álbum vendeu apenas  117 cópias … E  ao mesmo tempo, Eddie Barclay (produtor musical francês) me assediou para que eu fosse o diretor-geral do escritório de seu selo musical recém-lançado. Eu sempre recusei. “

Jarre passou a trabalhar sua futura obra ao lado de Francis Dreyfus, também falecido na mesma época que o pai e a mãe, e que ele considera um pai substituto.

“Sua morte, em 2010, também me fez pensar em todas as coisas de forma diferente.”

Sobre seu casamento com a atriz inglesa Charlotte Rampling:

Jarre e Charlotte Rampling
Jarre e Charlotte Rampling (la Concorde 1979)

“Em meio ao burburinho da imprensa, criamos nossa célula familiar, entre a França e a Inglaterra, com os nossos três filhos. O menino Barnaby(do casamento anterior com Charlotte) tornou-se meu filho, minha filha Emilie (de um casamento anterior e que em seguida, obtive a custódia), tornou-se filha de Charlotte e nosso filho David nasceu em 1978.  Estávamos unidos como um clã e eles permaneceram como irmãos verdadeiros.”

Jarre e Charlotte se divorciaram em 2002, em seguida, seguindo suas aventuras românticas ele teve uma relação turbulenta e tumultuada com a atriz Isabelle Adjani, então  um novo casamento com atriz Anne Parillaud seguido de um terceiro divórcio doloroso. Então Jarre realmente ama atrizes ?

“Estas não são as pessoas mais simples. Você tem que transpor fora de si e conviver com várias viagens difíceis . Digo isto com todo o respeito que tenho por quase todas aquelas – e eu quero dizer praticamente todas – Com quem compartilhei minha vida “.

“Somos apenas resultados dos nossos pais. Todos nós devemos amar o mais rápido possível!”.

É fácil dizer, mas não é fácil fazer.

 

http://nouvelles-du-monde.com/jean-michel-jarre-au-nom-du-pere-gala/

 

 

STERN.DE – (Alemanha) – 02/05/2016

 

P: Verdadeiro ou falso: A melhor música é anti-intelectual.

Jarre: Verdadeiro.. Mas isso não significa que a inteligência não importa.

http://www.stern.de/kultur/musik/jean-michel-jarre-ueber-electronica—40-jahre-rebellion-6684636.html

 

BLU.FM – (Alemanha) – 02/05/2016

“Electronica” será um projeto contínuo  ???

Jarre: “Em teoria, isto poderia funcionar desta forma pro resto da vida. Um amigo meu, um crítico de música inglês, disse: -‘Quer saber, você pode ter inventado algo inteiramente novo. O álbum infinito.’ O que de alguma forma é verdadeiro. Há muitas pessoas com quem eu gostaria de trabalhar em conjunto como Daft Punk ou Deadmau5. Há tantos que pertencem ao projeto. Mas você tem que parar em algum ponto. Infelizmente.”

http://www.blu.fm/kultur/jean-michel-jarre/

 

KLATSCH-TRATSCH – (Alemanha) – 07/05/2016 (com Alina Brieler)

Jarre e Alina Brieler
Jarre e Alina Brieler

P: Você ficaria ofendido se lhe contar que minha mãe é uma grande fã sua , uma vez que nos anos 70, “Oxygene 4” estava no topo ?

JMJ: Eu tenho um acesso peculiar ao “tempo”. Como um artista você se sente um pouco atemporal. Acho que é muito bom que , pessoas da geração de tua mãe gostaram de “Oxygene e hoje inspiram DJs. Estou muito feliz que eu consegui fazer música através das gerações e isso também é ouvido.

 

P: Como você pode ver a música eletrônica de hoje?

JMJ: Para muitas pessoas, a música eletrônica é fria e robótica. Para mim, a música eletrônica é muito sensual e orgânica. Tem algo de cozinhar com todos os ingredientes, ou seja, as influências etc Você trabalha com suas mãos com batidas e loops. Após os cinco anos em que eu estava trabalhado no projeto “Electronica”, que é também com vários artistas de diferentes gerações, é para mim uma nota: a maneira como trabalhar, é quase a mesma de quando eu comecei naquele momento.

 

P: Hoje em dia dificilmente um músico não tem uma educação clássica.

JMJ: Eu estava há alguns dias em Tel Aviv e fiquei muito impressionado com uma escola de música eletrônica. Eles agora têm lá uns mil alunos, você aprende o básico da “imposição” e apenas como compor uma peça. É totalmente interessante. Base para muitas músicas são as (notas de base), segundo o qual se ensinou lá. Eu gostava quando criança que eu tive uma educação clássica meio tarde e também toquei em bandas de rock. Todas estas influências eu trouxe a minha música. Todos devem estar cientes de que lado ela vai e como  encontrar a música. Eu não acho que você pode generalizar isso.

 

P: Qual é o seu segredo de beleza?

JMJ: É muito injusto, mas existe apenas bons genes. Minha mãe chegou aos 96 e ainda parecia deslumbrante. A única coisa que minha mãe sempre me aconselhou: “Lave o rosto com sabão” (risos)

http://www.klatsch-tratsch.de/2016/05/07/jean-michel-jarre-im-interview-der-elektro-gottvater-mit-neuem-album/268123

 

 

CLUBBING – ESPANHA (11/05/2016)

P: Me chamou a atenção escutar o tema feito com o ORB. Se bem me recordo você havia convidado eles para um remix do álbum “Odyssey through O2”…

JMJ: Sim, sim, eu temo que você esteja bem informado …É algo que falamos e esclarecemos com eles um dia . Saiba que isto foi uma tolice. Isto que você deve imaginar como é a coordenação das gravadoras as vezes. Certo ? Quando eles receberam o trabalho do The Orb, pensaram que era algo que não estava na altura sagrada de “Oxygene”. Na época, eu pouco pude fazer, eles sabem que eu  amara a versão que eles  fizeram, foi muito engraçado. Também reconheço-me um fã incondicional deles, eu os amo loucamente : Little Fluffy Clouds, Spanish Castles In Space. São todos os temas fantásticos! Sou apaixonado sobre a maneira deles usarem os samplers de voz em suas canções, tocando musicalmente com dança abstrata, mas, em seguida, a sampleagem de vozes é tão orgânica … Eles me inspiraram, por exemplo em usar a voz original do mestre Léon Theremin, gravei quando eu havia tocado em Moscou, eu considero como um tributo à inteligência deste fabuloso duo. Bem, finalmente o selo fonográfico não publicou na época, eles acabaram lançando sob o título de Toxygene em seu BBC Sessions 1991-2001, apesar de reduzido a poucos fragmentos a partir da remixagem das gravações originais. Nós concordamos que nós tinhamos que deixar isto para trás e trabalhar juntos novamente. Já se passaram vários anos, mas finalmente nós cumprido essa promessa e compomos a faixa “Switch on Leon”.

P: “Oxygene 7-13” ainda é um de seus álbuns favoritos, mas, no entanto soa sempre andando pela rua da amargura para você?

JMJ: Agora eu não tenho tanta certeza se ele ainda seria o meu escolhido, basicamente, por causa disso, eu teria a oportunidade de refazer todo a masterização completa do disco. Quanto ao som dançante não era o melhor momento quando se tratava de final dos anos 90, quer dizer, ele começou a impor a era digital e todos procuraram compactar o máximo, enquanto o resultado na maioria das vezes acabava tocando solto . Costumo dizer que com a conversão para 16 bits/44.1kHz, perdíamos a  profundidade e espacialidade. Então, agora que nós temos mais controle  sobre o assunto eu digo que gostaria de remasterizar o álbum a sério e que eu pretendo fazer um dia .

http://www.clubbingspain.com/entrevistas/2016/jean-michel-jarre.html#.VzMNc7Xeioo.facebook

 

MUSIC OMH – Reino Unido – 15/05/20016

P: O que esperar dos novos shows da turnê  ?

JMJ: Eu tinha que abordar o concerto como um animal diferente. Você é parte do conceito global de áudio / visual quando está no palco. O elemento visual necessita de progressão, assim como a música. Estou um pouco aborrecido com filmes pequenos, aqueles que normalmente são projetados por trás dos artistas. Estes são OK para o YouTube ou MTV, mas você precisa de uma orquestração visual da música que você está indo tocar ao vivo. Ainda hoje eu vejo filmagens de concertos que me faz lembrar de algo que eu teria visto há 25 anos. Agora eu estou trabalhando em um projeto de filmagem 3D que estou realmente animado para compartilhar com as pessoas, para mostrar algo diferente do que eu fiz no concerto de Docklands. Isto  é espetacular, mas acho que também está em sincronia com os nossos dias. “

http://www.musicomh.com/features/interviews/jean-michel-jarre

LAUT – Alemanha – (18/05/2016)

P: Conte-nos algo sobre como trabalhar com Julia Holter.

Julia Holter e Jarre
Julia Holter e Jarre

JMJ: Isto foi muito interessante, eu a conheci na Califórnia muito antes que seu maravilhoso novo álbum explodisse nas paradas. Foi logo em seguida, ela se tornou um grande nome, especialmente no Reino Unido e EUA.  Já tinha ouvi falar através de amigos mútuos sobre ela, e eu disse imediatamente: Esta é a artista que eu tenho que ter como uma musa para o projeto Electronica. Esta mulher, uma  voz fantasmagórica entre Björk, Laurie Anderson e Kate Bush, com uma abordagem muito experimental. No passado, ela compôs faixas muito experimentais, canções quase normais, um folk popular. Mas os arranjos foram feitos com ruídos que ela tinha gravado no terraço de um café, o sons de guitarra seria simplesmente ridículo. Ela tem esse acesso com a  música electro-acústica, eletrônica. A primeira vez, quando ouvi suas canções, eu achei que fosse muito familiar. Nós gravamos a faixa em um lugar muito incomum no Hotel Chateau Marmont, onde gravei a demo. Ela deu isso para gravar os vocais e fiz a mixagem entre L. A. e Paris. Eu amo o resultado. É um bom exemplo de como podemos ligar dois mundos.

 

P: Quanto a sua sessão de gravação com Pete Townshend, na verdade existe muito mais material para sair ainda que você irá publicar separadamente, certo?

PETETOWN
Pete Townshend e Jean Michel Jarre

JMJ: Sim. Eu sou um grande fã de Pete Townshend, ele estava no topo da minha lista de desejos. Foi ele que incorporou o sintetizador e o sequenciador no rock britânico. Nós tinhamos  três demos preparados, ele gostou e disse: “. Por que não fazer uma pequena ópera rock eletrônica ?” Quando nos terminamos, nós tinhamos uma faixa de 14 minutos. Pete Townshend é para um álbum chamado “Eletrônica” “um convidado incomum – e de repente eu tinha com ele a faixa mais longa e épica. Ela de algum modo iria interromper o fluxo do álbum, então eu quero dizer: nós aceitamos, apenas um trecho no álbum, e publicar toda a faixa completa como um stand-alone. Porque agora, promovendo o “Electronica 2” , eu pensei que seria um pouco demasiado para publicá-la agora. Portanto, eu ainda esperarei um momento adequado para lançar isto. Quando eu era jovem, tinha uma fantasia de ser parte do The Who.

http://www.laut.de/Jean-Michel-Jarre/Interviews/Snowden-ist-der-Held-unserer-Zeit-18-05-2016-1348


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0