ELECTRONICA II – THE HEART OF NOISE – ENTREVISTAS – PARTE 1

hear of noise

Iremos publicar uma síntese das entrevistas que Jean Michel Jarre está dando em volta do mundo com relação ao álbum “Electronica II – The Heart of Noise”

MUSIKKNYHETER (Noruega) 21/02/2016

Jarre confirma que entrou em contato com a banda Röyksopp:

JMJ:Eu tive uma reunião com eles, quando eu estava em Bergen,Noruega,  pois eu sou um grande fã de sua música. Especialmente o álbum “Senior”. Infelizmente, eles estavam se mudando para as novas instalações, e eles tinham outros projetos. Mas eu realmente espero que eu possa trabalhar com eles no futuro.

No álbum Metamorphoses 2000, você colaborou com Natascha Atlas, Sharon Corr (The Corrs) e também com Laurie Anderson. Mas será que “Electronica” é uma continuação deste álbum ?

JMJ: – Não, este é um projeto completamente diferente. Em “Metamorphoses” foram algumas pessoas convidadas para um projeto que era meu. Com “Electronica” elas teria plena cooperação ao longo do processo criativo. Portanto, eu dirigi 150 quilômetros de carro a partir de Viena para atender Edgard Froese (Tangerine Dream), tomei o trem para Londres para me encontrar a banda Boys  Noize, foi para Los Angeles para trabalhar com Laurie Anderson e Vince Clarke ou para sair com Moby.

Você estava envolvido em uma academia de música eletrônica em Londres. O que vai acontecer lá?

JMJ: Era mais uma jogada política por parte das autoridades na Inglaterra do que em qualquer outro lugar, eu acho. Estou muito envolvido com a ideia de montar uma academia onde você pode reunir as pessoas a experimentar e compartilhar experiências, para não mencionar os instrumentos eletrônicos vintages e analógicos. Mas isso foi há muito tempo, e não ouvi mais nada sobre o assunto. Eu espero que isso ainda irá acontecer.

Sobre as mensagens secretas no álbum “ELECTRONICA Vol 1 “:

JMJ: Seria muito cruel de mim divulgar qualquer coisa. Para as pessoas basta seguir as pistas que eu estabeleci, (risos). Isso é que é tão maravilhoso hoje, quando você pode misturar tecnologia digital e analógica. Pode-se manter as coisas orgânicas e brincalhonas, e ser criativo em vários níveis diferentes. Enquanto nós todos imaginávamos nos anos 80 que tudo tinha de ser digital, de modo que finalmente nós percebemos que somos criaturas analógicas. De carne e osso.

Fonte: http://www.musikknyheter.no/intervjuer/14997/–Vi-er-analoge-vesener,-ikke-digitale.html

 

 

Blog de Mark van Huisseling (Suiça) – 27/02/2016

P: Para publicar a segunda parte de seu álbum conceitual – como você conseguiu que a gravadora pagasse por ele?

JMJ: ” Haha, isto você precisa perguntar a Sony … Para mim, nada mudou. Mas, obviamente, há uma crise na indústria da música. É um fato que as pessoas nunca ouviram tanta música como nos dias de hoje e que nunca tanto dinheiro foi implementado desta forma – apenas os compositores nunca virão tão pouco do dinheiro. Este desequilíbrio deve ser compensado; Não pode ser que uma empresa como a Spotify [serviço de música digital] que faz seus acionistas bilionários e os músicos que são os responsáveis pela música ganharem no final do ano com os seus royalties o suficiente para  pagar uma pizza sem pepperoni. “

P:  Bom para você que vendeu muitos milhões de discos obtidos numa época em que artistas ainda ganhavam dez francos ou mais por álbum … “

JMJ: ” Eu não queria dizer isto anteriormente se tivesse sido melhor, seria reacionário. Mas atualmente é para que músicos, cineastas, escritores ou jornalistas precisam de um emprego em tempo parcial – eles não pode viver  seu sonho, isto pelo menos no início da carreira. É injusto e é preciso mudar “.

P: É cada vez mais visto no meio que eles não obtêm lucro na indústria criativa – não é um bom desenvolvimento, reduz o desejo de tentar, certo?

JMJ: “Absolutamente. As pessoas na indústria criativa são como o esperma – é uma loteria, que, com uma longa cauda se tenta alcançar a meta de muitas pequenas cabeças. Este não é um assunto de nicho para um par de crianças mimadas da América e da Europa que fazem música, mas um problema social. Mas eu me lembro quando eu ainda era um jovem, a Ecologia era um assunto que interessava apenas a alguns sonhadores. Hoje, isso acontece em todos os programas dos partidos políticos, da extrema direita à extrema esquerda. A próxima luta deve ser direcionada para a propriedade intelectual. E isso vai acontecer, porque existe em cada família uma criança que sonha em se tornar um escritor, fotógrafo ou diretor. E a solução é simples: em cada unidade, tocar a música, as letras podem tocar e assim uma taxa ridiculamente pequena é cobrada – um euro em um telefone inteligente que custa 500 ou 600 euros – que recolhe para uma organização. E em segundo lugar, nós somos o acionistas do YouTube e Spotify etc, independentemente de qual for. E eles têm que nos pagar. Estas pessoas que estavam dirigindo essas empresas , até mesmo os amante de música ou de filme, não são nossos inimigos. Infelizmente, quando eles obtiveram o sucesso eles se tornaram monstros corporativos. “

P:  O que você vai fazer a seguir ?

JMJ: “Eu estou preparando uma turnê, eu trago este projeto “Electronica”  para  festivais do próximo verão, eu estou a muito tempo sem sair em turnê “

Fonte: http://markvanhuisseling.ch/artikel/ausgabe-08—jean-michel-jarre.html

 

 

UNCUT MAGAZINE (Reino Unido) –  Março/2016 

P (Julia Holter – EUA) : Você começou a trabalhar com música eletrônica e sintetizadores nos estúdios do GRM de Pierre Schaeffer e no estúdio de Stockhausen. Como estes mundos muito particulares e  diferentes  afetou sua abordagem para escrever desde cedo?

JMJ: Eu vinha da cena do rock, mas eu também estudava música harmônica e clássica e escrevia composições, por isso toda a minha visão da música mudou através do trabalho com pessoas que, pela primeira vez, estavam considerando a música não como notas, mas em termos de som e barulho. Eles disseram: “Ok, você pode gravar o barulho na rua, você pode gravar o barulho da chuva, do vento, de um motor…e então fazer música com isto.” Isto foi o ponto inicial para mim, mas eu também pensei que isto poderia ser o sinal para uma nova forma de abordar as composições musicais. Hoje os DJs, são netos de Schaeffer e Stockhausen, por causa da ideia que o músico pode ser um construtor de sons ao mesmo tempo  que isto agora é quase tradicional.

 

P(Max Jenkins – Austrália) : Como você estava envolvido com os protestos de maio de 1968 ?

JMJ: Eu estava em Paris e em Londres, então eu vi os dois lados disto. Eu estava em Paris em 1° de Maio e depois eu fui tocar em um clube em Londres com minha banda de rock. Mas eu estava no meio disto, porque eu estava na universidade em Paris. Isto foi a primeira vez que a juventude tinha uma palavra e assim a sociedade percebeu que o jovem era importante.  No nosso lado, nós estávamos se rebelando contra mais ou menos tudo – como qualquer adolescente faz, mas, neste caso, foi a primeira vez que houve uma forte revolução contra as instituições governamentais. No meu caso, fazer música eletrônica era uma forma de rebelião contra qualquer sistema musical, incluindo o rock’n’roll na qual já havia uma forma de instituição naquele tempo. O mundo da música clássica já tinha uma atitude negativa com relação ao rock, e depois a instituição Rock’n’roll passou a ter a mesma atitude negativa com relação a música eletrônica . E agora os primeiros músicos eletrônicos tem a mesma atitude com relação os novos DJs. Geração após geração, nós temos esta atitude reacionária para o que virá depois de você – isto não pode acontecer com os artistas.

 

P(Sam Blair – Escócia): Você tocou guitarra em bandas chamadas ‘Mystère IV’ e ‘The Dustbins’ nos anos 60. Quem foram seus heróis na guitarra ?

JMJ: Pete Townshend. Quando as pessoas perguntam: “Você é fã dos Beatles ou dos Rolling Stones ?”, eu respondo que sou mais ‘The Who’! Eu sempre fui maravilhado como eles criavam muitas coisas. O primeiro ‘muro de som’, a primeira opera de rock  e outros. Quando você escuta as primeiras músicas do The Who, era muito fantástico escutar a banda, na qual cada um dos membros tocavam solos.Keith Moon estava fazendo solos, assim como John e Roger estava escalando em todas as músicas e Pete estava fazendo o papel de ritmista e condutor da guitarra. No papel, isto não poderia dar certo, não conseguiria trabalhar, mas eles criaram as mais fantásticas músicas de todos os tempos . Por Pete Townshend ser meu grande herói da guitarra, eu queria trabalhar com ele no álbum “Electronica I”, ele foi o primeiro a integrar sintetizadores e sequenciadores nas canções de rock como : “Baba O’Riley” e “Who’s next”, então era importante pra mim que nós tivéssemos esta conexão.

 

P(Sean Johnson – Inglaterra): Quando você destruiu a fita-matriz de “Music for Supermarkets”, você se arrependeu por tudo ?

JMJ: Não, de tudo. Isto foi parte de  uma concepção que eu tinha em mente nesta época, quando a industria estava tentando danificar-se. Nós começamos a falar sobre como o CD nos supermercados estava matando as lojas de discos e que foi um estado de catástrofe que a industria fonográfica se transformou agora. Isto foi bastante premonitório nesta época para dizer ‘cuidado gente’ sobre o fato que a música não poderia ser como qualquer outra industria. No começo isto chegou a ser um elemento de loucura. Isto está sendo mostrado na série de TV,” Vynil” (HBO), quando você assiste estes caras e estes artistas eram loucos, mas haviam paixão naquilo. Então, de repente, você tem pessoas chegando das finanças e elas começam a criar um tipo de relação de ambiguidade que os artistas e músicos tiveram com a nova industria.

P(Gary Numan -músico inglês): Você escreveu cada canção nos dois álbuns  Electronica com as colaborações em mente ou criou o corpo de trabalho musical e então pensou sobre quem poderia ser adequado a cada canção ?

JMJ: Eu escrevi algumas músicas especialmente para artistas que eu me importaria de colaborar. As músicas tinha espaços para eles se expressarem-se , mas também bastante estruturado que criava uma plataforma de discussão quando eu me reunia com eles. A ideia era tentar uma colaboração verdadeira, meio a meio . Eu também queria viajar para me encontrar com as colaborações fisicamente . O fato que você está compartilhando o mesmo momento em um lugar é totalmente diferente de apenas enviar arquivos.

 

Fonte: UNCUT MAGAZINE – MAY 2016

 

 

THE NEW YORK POST (E.U.A) – 22/04/2016 

Jarre salienta a faixa “Exit”, uma colaboração com o delator americano, Edward Snowden, não é uma expressão de anti-americanismo. “Eu sou um amante da América, porque é um lugar onde você pode dizer qualquer coisa. É importante lembrar que Edward Snowden não poderia ter sido chinês ou russo.”

Sobre Snowden ser um traidor: “Ele se sacrificou, como um soldado americano. Para mim, isso é um verdadeiro patriota. O que posso dizer, de uma forma muito objectiva, é que ele é muito apaixonado por seu país. “

http://nypost.com/2016/04/22/yes-edward-snowden-is-now-an-edm-star/

 

THE INDEPENDENT (REINO UNIDO) – 22/04/2016

“Oxygène e seu sucessor, Equinoxe mudaram tudo para mim de forma financeira e socialmente. Eu fiz um monte de novos amigos, e perdi muito antigos. Era como vertigem, tudo muito estranho. E depois, claro, vieram os shows. “

Jarre tinha sido obcecado com a teatralidade da ópera, e quando ele começou a tocar ao vivo isto era inflexível para fazer algo realmente  grandioso. “Um homem atrás de um sintetizador por duas horas não é a coisa mais sexy, não é? Eu fui inspirado pelos filmes de Stanley Kubrick, e eu queria criar, você sabe, um espetáculo. “

Seus shows ao vivo, raramente executados em arenas, foram certamente isso. Ele foi o primeiro artista ocidental pop a tocar na China após a Revolução. Quando ele se apresentou em  Docklands de Londres, em 1988, ele usou mais fogos de artifício do que a festança que o Réveillon proporciona, e quando ele tocou em Moscou em 1997, mais de 3,5 milhões de pessoas apareceram.

Oh, os shows ficaram maiores e maiores “, ele suspira tristemente. “Foi como fazer Apocalypse Now, em apenas uma noite : esgotamento. Levei muito tempo para perceber que menos é mais ! “.

Quando ele viajar pelo Reino Unido no final deste ano, os locais do shows serão indoor, e gerenciáveis. “O que é difícil para mim“, diz ele, “pois eu sou um pouco claustrofóbico.”

Ao contrário dos atos eletrônicos que ele iria inspirar, Jean-Michel Jarre sempre viveu uma vida mais de acordo com as estrelas de rock tradicionais. Ele foi casado três vezes, a mais famosa esposa foi a atriz Charlotte Rampling (eles se divorciaram em 1997). Ele tem três filhos adultos – dois filhos e uma filha, que trabalham como um mágico, diretor de cinema e designer criativo, respectivamente – e seus 67 anos poderia passar por alguém em seus meados dos anos 50. George Clooney mataria para se parecer com ele em sua idade.

Música, diz ele, deu-lhe uma vida boa, mas não sem sacrifício.

“Eu diria para quem está começando que, se a sua prioridade na vida é a felicidade, então não seja um músico. Eu não estou reclamando, porque eu sei que tenho sido muito privilegiado, mas a música e concertos – eles são um vício, uma droga pesada. Prosseguir com música come sua vida até o ponto onde não há lugar para mais espaço. Você terá sorte se você encontrar um parceiro que é capaz de entender isso, mas mesmo assim eles só vão compreendê-lo por um tempo, e depois as coisas ficam – você sabe, difíceis.”

“Visto do lado de fora, ser um artista parece ser uma vida de sonho, mas há aspectos muito mais escuros para isto. As pessoas que fazem música fazem, porque é tudo o que podem fazer”. Ele suspira de novo, e por um momento parece totalmente desprovido. “E isso sou eu, suponho. Eu não posso fazer nada mais. “

Link : http://www.independent.co.uk/arts-entertainment/music/features/jean-michel-jarre-interview-if-your-priority-in-life-is-happiness-dont-be-a-musician-a6996576.html#gallery