J.M.JARRE E LAURIE ANDERSON NO RED BULL ACADEMY PARIS

Red-bull-music-academy-paris

Apesar do cancelamento da palestra que faria no dia 17/11 no Red Bull Academy de Paris, devido aos ataques terroristas na capital francesa, o músico francês Jean Michel Jarre, surpreendeu a todos ao comparecer de surpresa um dia antes (16/11), no La Gaîté Lyrique de Paris, para fazer uma palestra para presentes e convidados, com a também presença da compositora americana Laurie Anderson, que foi uma das convidadas de Jarre no álbum “Electronica I – The Time Machine”. O mediador da conversa entre Jarre e Laurie Anderson foi o jornalista e produtor eletrônico Todd L. Burns, editor do site Resident Advisor.

RED BULL
As lendas da música Jean Michel Jarre e Laurie Anderson no Red Bull Academy de Paris.

O evento pegou muita gente de surpresa, devido ao comunicado de cancelamento, mas alguns privilegiados tiveram a sorte e a oportunidade de assistirem a conversa destes dois grandes artistas. Jean Michel Jarre e Laurie Anderson decidiram seguir com a conversa no Red Bull Academy pois sentiram que era um momento importante para falar sobre como a arte e os artistas possam responder à tragédia e compartilhar algumas dicas sobre sua visão pessoal sobre a colaboração entre as artes. Jarre também discutiu sobre sua carreira fascinante os sons que ele criou e o futuro que ainda está ajudando a vislumbrar. Entre estes convidados na plateia, estava a artista brasileira Erica Alves, que sentou na primeira fila.

erica-redbull-jarre-laurie
Jarre e Laurie Anderson…brasileira Erica Alves está a direita da foto com camiseta azul, assistindo tudo de perto.

Tendo sido amigos e colaboradores ao longo de décadas, Jarre e Anderson falaram da compreensão do trabalho e idéias conjuntas: com realismo, sabedoria e humor. Embora eles se sentam no sofá casualmente e como iguais, Jarre e Anderson tiveram carreiras globalmente aclamada que mediram música, arte e desempenho desde a década de 1970. Quando se olha para o panorama atual da performance ao vivo da música eletrônica, todos, desde superstars EDM passando por DJs techno underground, todos eles devem uma dívida enorme com estes artistas.

lecture-redbull1

Hoje, Jean-Michel Jarre continua a inovar novas formas de compor e executar música eletrônica com rápido desenvolvimento das tecnologias visuais: um assunto que ele investiga nesta palestra.
Laurie Anderson sempre se divertiu brincando com as percepções do que uma peça de música poderia ser das pessoas. Originalmente como uma escultora antes de começar a elaborar suas próprias paisagens sonoras únicas, a calma, a entrega de todo o tipo de imagens oníricas – demonstrações artísticas como que totalmente sopradas evocativamente e vaga o suficiente para se qualificar. Amplamente influente sobre o uso de samplers antecipando a invenção de instrumentos eletrônicos. Laurie Anderson colaborou com Brian Eno, Andy Kaufman e o falecido marido Lou Reed. Ela dança seu próprio caminho através da arte e música com um sentimento de admiração pela vida e natureza.

jarre-laurie-red

Em um trecho da discussão entre os dois músicos, descobrimos que Jarre chegou a trabalhar junto com Brian Eno, pois Laurie Anderson pergunta a Jarre se ele já havia com Eno e a resposta foi positiva sem entrar em qualquer detalhe.

Em outro trecho Jarre fala sobre o uso de uma transmissão em arabe em uma de suas faixas, que foi proibida de ser executada nas radios francesas. Ele disse:

“Eu me lembro que fiz uma música, no final dos anos 90, e eu usei alguns samplers. Eu fui um dos primeiros que utilizaram samplers de língua árabe, e foi proibido por algumas estações de rádio na França, e isso foi há 20 anos, há 25 anos, e é muito estranho. Na verdade, foi… foi alguns samplers que eu usei, não religioso, que eu roubei de uma rádio, a partir de uma estação em lingua árabe, era apenas a linguagem árabe como nas notícias; não era nada religioso ou nada disto…um cantor (a) cantou sobre a música e eu usei apenas o Fairlight naqueles dias, fazendo alguns samplers a partir de uma gravação ao vivo.”

Ele também fala rapidamente, sobre seu período como aluno de Karlheinz Stockhausen em um caso ocorrido em um hospital na Alemanha:

“Eu tinha trabalhado…quando eu estava com Shaeffer e nós tivemos contato com Stockhausen, em Köln, na Alemanha e eu participei nesse tempo em algum experimento em hospitais, recriando a música igual ao som de um útero de uma mãe, para tratar a esquizofrenia. É incrível como isto é eficaz. O Doutor deste projeto era um médico muito famoso que foi o primeiro a usar isto para tratar alguns cantores de ópera, como Caruso e pessoas como estas. Eu me lembro que nós construímos uma espécie de sala de vidro, e com um pouco de líquido e nós, na verdade reproduzindo, mas com um tipo de música ambiente, uma espécie de versão musical do útero, da mãe. Lembro-me deste momento extraordinário, onde um menino autista, autista-esquizofrênico, talvez 11 anos de idade. Nós colocamos a sua mãe no meio da sala, e ela estava sentada e ela nunca tinha sido capaz de tocar seu filho desde que ele nasceu. Ela estava lá, e o menino entrou nesta sala de vidro, e depois talvez um minuto, ele veio nos joelhos da mulher, de sua mãe, e assim ele ficou lá nesta posição sentada por 50 minutos. Foi a primeira vez que eles tiveram um contato físico. Eu só queria comentar sobre isso, porque enquanto você estava falando sobre isso, ele me fez pensar sobre o fato de que, na verdade, como sabemos, a música pode também ajudar a aproximar maneiras tão diferentes, e é muito interessante. Também nestas áreas o céu é o limite. Nós não exploramos bastante isto ainda.”

Também falando que trabalhou com um astrofísico, possivelmente no abandonado projeto do Concerto das Ilhas Canarías (que também teria o guitarrista Brian May):

“Eu trabalhei a alguns anos atrás com um astrofísico. Ele gastou muito do seu tempo gravando sons do planeta. Ele deu isso para mim, e ainda estamos trabalhando neste projeto, para fazer música com o som do planeta, e qual é o som do planeta? É, na verdade, para converter as vibrações e a energia de cada planeta em um som que podemos ouvir, o que é muito interessante. Como primeiro comentário, o som do sol é muito masculino, e o som de lua é muito feminino.
É uma onda senoidal muito suave para a lua e uma forte onda quadrada para o sol. É bastante interessante. Então, esses caras exploram e transmitem sons além do sistema solar, e isso é exatamente o que me fez pensar sobre o que você estava dizendo antes sobre a idéia de que, é interessante também para abordar a exploração da música e do som, com o conceito de que não somos capazes de fazer… que está fora do nosso alcance, e tentar convertê-lo, é o que estamos dizendo. As baleias estão em nosso alcance, mas é tão mágico porque isto está vindo algo totalmente fora de nossa própria espécie, e é muito interessante, sim.”

A radio online do RedBull Academy, postou a discussão entre os dois artistas, incluíndo faixas de seus mais conhecidos trabalhos, o acesso pode ser feito neste link:

http://www.rbmaradio.com/shows/laurie-anderson-jean-michel-jarre-encounters-volume-3

O vídeo desta palestra com mais de uma hora de duração pode ser visto aqui:

A descrição completa da palestra pode ser lida em inglês aqui:

http://www.redbullmusicacademy.com/lectures/jean-michel-jarre-laurie-anderson-lecture