QUANDO O CISAC E A UNESCO UNEM SUAS BANDEIRAS

unesco-cisac1

No dia 03 de Dezembro de 2015, na sede da UNESCO em Paris, houve um encontro entre compositores e criadores culturais mundiais e organizações ligadas pelos direitos do autor e o CISAC, para discussão sobre direitos autorais e que gerou a elaborar um relatório de 120 páginas que é o primeiro mapa global das indústrias culturais e criativas intituladas “Cultural Times”. O músico francês Jean Michel Jarre, atual Presidente do CISAC e Embaixador da Boa Vontade junto a UNESCO, participou do evento ao lado da Diretora-Geral da UNESCO, Irina Bokova e juntos apresentaram o documento a imprensa e presentes. Pela primeira vez, uma pesquisa quantifica a contribuição econômica e social global deste importante setor.

02-Global-Map-of-Cultural-Economy-2015-billboard-510

Jarre espera que o estudo e o documento “Vá agir como um indicador para os formuladores de políticas em todo o mundo.” Ele milita em Bruxelas para o “copyright” em francês – na qual o poder pertence aquele ele que cria – triufando sobre o “copyright” para o modelo anglo-saxão – onde o poder pertence a quem paga… E chamou a todos pelos seus votos em um ambiente global que protege os direitos econômicos e morais dos artistas.

unesco-cisac2

Os direitos dos criadores não são um obstáculo ao desenvolvimento econômico, ao contrário. Eles fornecem empregos locais e gerar renda e impostos. Eles permitem que toda uma classe de pessoas – muitas vezes jovens – possa viver com o seu talento.

Jarre discursou: ” Enquanto as indústrias criativas do mundo são maiores do que as indústrias automotiva ou de telecomunicações, empregando quase 30 milhões de pessoas no mundo e reforçadas através da economia global, nós apenas reforçamos outras empresas como turismo, indústria transformadora e de eletrônicos de vendas, e aqueles que criam o conteúdo “nunca foram mais frágeis”.

01-Global-Map-of-Cultural-Economy-2015-billboard-510

Jarre disse que os números econômicos impressionantes revelados pelo estudo irá revelar-se munição param futuros debates com os governos ao redor do mundo. “Não podemos perder o foco sobre o que está em jogo aqui. É sobre as pessoas por trás da música, programas de TV, livros, revistas, jornais, jogos, artes visuais, arquitetura. Então, pela primeira vez, graças ao estudo, existe um quadro muito mais claro o que os criadores e as suas indústrias trazer para a economia global em termos de receitas e empregos.

É uma grande força por trás da nova economia digital e os criadores não têm acesso a renumeração justa“, disse Jarre. “Para mim, este estudo é um marco, agora podemos nos reunir com os políticos responsáveis e explicar o que é a nossa real contribuição para a economia. E nós podemos ir para os formuladores de políticas em países em desenvolvimento e proporcionar-lhes a prova de que eles devem apoiar as indústrias criativas porque eles são um fator de crescimento econômico.

unesco-cisac3

A transferência de valor é o que acontece quando o valor de intermediários na Internet captura para gerar negócios de milhões de dólares sobre o conteúdo criativo para trás, mas não conseguem remunerar adequadamente os criadores“, disse Jarre. CISAC, que marca o seu 90º aniversário em 2016, vai empurrar um ambicioso programa de solidificação de direitos e royalties dos autores no próximo ano, disse.

O relatório demonstra “um mercado global incrível para a cultura e criatividade, mas o que não podemos esquecer é que, no final do dia tudo se resume aos criadores individuais que são a base para este extremamente importante mercado.”

VÍDEOS

Discurso de J.M. Jarre:

Entrevista com Jarre:

Fonte:

http://tempsreel.nouvelobs.com/economie/20151201.OBS0528/l-asie-nouveau-geant-des-industries-culturelles.html

http://www.billboard.com/articles/business/6785561/cisac-unesco-report-hard-numbers-world-creative-industries

Acesse o estudo completo em www.worldcreative.org/ .

UBC (União Brasileira de Criadores)