“ELECTRONICA I – THE TIME MACHINE” – ENTREVISTAS DE DIVULGAÇÃO – PARTE 1

capture_decran_2015-08-28_a_15.04.06

O músico francês Jean Michel Jarre tem feito uma verdadeira turnê de divulgação de seu novo álbum “ELECTRONICA I – THE TIME MACHINE”, ele tem tido contato não só com a imprensa de seu país, a França, como viajado para Londres, Berlim, Itália, Espanha, Holanda, Bélgica e futuramente outros lugares para a divulgação do álbum a ser lançado no próximo dia 16 de Outubro. Ao mesmo tempo, a imprensa escrita e a imprensa online começa a fazer reviews (na maioria positivos) e entrevistas na qual o músico revela os segredos da produção que incluirá uma segunda parte no próximo ano além de alguns shows que ele pretende fazer entre 2016 e 2017.

studiojmj1

Aqui a primeira parte de um resumo das entrevistas que Jarre tem dado pelo mundo, :

FACT MAGAZINE – (Reino Unido) – 22/09

Você estava interessado em trabalhar com o Daft Punk?

JMJ: Daft Punk absolutamente, vêm do mesmo país que o meu, amo seu trabalho, era apenas uma questão de timing. Quando eu comecei este projeto eles estavam lançando seu último álbum [Random Access Memórias] com a idéia de que eles queriam levar a alguma distância do mundo da eletrônica, voltanda a disco music. Senti que não encaixam a onde eu estava indo, e eu também estava trabalhando com o AIR, e o Daft Punk são da mesma geração. Como costumamos dizer, há algum “Oxygène” no ar, por isso naquele tempo não fazia mais sentido trabalhar com eles. Mas eu teria o maior prazer no futuro poder trabalhar com o Daft Punk! Esta é sempre a armadilha quando você está fazendo algo parecido com isto, porque você pode dizer: “O que ele tem? O que ela tem? “Mas você sabe, o que realmente gostei neste processo de estar trabalhando com pessoas que eu realmente queria trabalhar por uma boa razão. Foi uma razão profunda para mim.

Você já tinha colaborado com a Laurie Anderson anteriormente.

JMJ:Sim, esta é a terceira vez. Uma vez no início dos anos 80 com um álbum chamado Zoolook, e também para o milênio. Nós filmamos ela no Centre Pompidou, que estava fazendo uma exposição. Filmei apenas seu rosto, e ela estava tipo de Mestre de Cerimônias do concerto, e nós gravamos uma faixa também com ela [em Métamorphoses]. Para o novo álbum eu tinha em mente essa idéia de escrever uma espécie de canção de amor escura baseado na idéia de que estamos tocando e tendo um relacionamento com nossos smartphones mais do que estamos tocando nossos próprios parceiros nos dias de hoje. Eu disse que poderia ser interessante, imaginando uma canção de amor escura entre um objeto conectado como um smartphone e um ser humano. Isto foi pouco antes do filme “HER” de Spike Jonze. É semelhante, mas não é o mesmo -, no filme era com um software, que é mais abstrato. Então, ela adorou a idéia e nós tivemos que adiar a gravação quando Lou Reed morreu.

Você conhecia bem Lou Reed:

JMJ: Eu o conheci, mas eu estava muito mais perto de Laurie. Então, algumas semanas depois que Lou faleceu ela me ligou e disse: “Eu estou pronto para fazê-lo agora, eu estou em Los Angeles.” De repente, ela estava em Los Angeles, então eu tive que escrever as letras durante a noite, e então nós completamos as letras juntos. E, em seguida, depois de seu concerto no UCLA registramos seus vocais em torno da meia-noite. E ela é tão grande no processamento de seus vocais, ela é como uma empresa inovadora no som, mas ela tem uma voz tão mágica, e assim que eu gravei a voz, eu disse: “Nós não devemos tocar em nada.”

Você odeia CDs não é?

JMJ: Eu acho que o CD agora vai ser como a cassete da era digital. Ou o VHS da era digital. Ou o 78 rotações da era digital. E foi apresentado como o Santo Graal da qualidade no início – “Este produto vai permitir que você mantenha a sua música para sempre ” – e isso não é verdade. Tente tocar um CD a partir de 25 anos atrás e ele não toca. Também muito rapidamente notei que o CD não foi tão bom como o vinil . Vinil não era perfeito , mas ainda é muito, muito melhor do que o CD. E a ironia é que inventaram o MP3, o que é ainda pior do que o CD.

Vinyl está fazendo um retorno claro.

JMJ: Por uma boa razão. Há essa cor e calor que todos nós conhecemos. É único.

Você era evangélico sobre Dolby 5.1 Surround Sound e chegou a gravou seu álbum A.E.R.O. com ele, mas O 5.1 não chegou decolar, não é?

JMJ: É interessante que você está falando sobre isso porque eu estou realmente trabalhando em 3D áudio e com o tipo de experiência de som surround. O 5.1 é grande – o álbum em A.E.R.O em 5.1 soa muito bem. Eu sei que eles usaram este álbum para definir os sons nos cinemas nos EUA. Mas o problema é que ninguém mais passou a usá-lo em tudo, então ele só morreu como Quadrophonic [quatro canais de som, o primeiros som surround focado no consumidor]. Eu fiz algumas faixas para o álbum em áudio 3D e é bastante interessante, porque você não precisa de um aplicativo, você não precisa de hardware. Ele está codificado e é no arquivo, para que você possa baixar, para qualquer tipo de plataforma. E a idéia é obter um som 3D real.

Como você administra isso?

JMJ: Quando eu falo com você eu falo em mono, e o espaço em torno de você cria a profundidade. E, na verdade, na década de 50, um cara inteligente criou o estéreo como um sistema falso, para dar-lhe a impressão de espaço, mas na verdade estava apenas atrasando o lado esquerdo e o lado direito para criar esse efeito de psicoacústica, mas não era bem verdade . O verdadeiro modo de ouvir música é, na verdade, em surround. No momento em que você está me ouvindo, você está ao mesmo tempo ouvindo os carros na rua e é uma experiência 3D. Eu trabalhei com algumas pessoas com um algoritmo complexo para criar – em minha opinião – a próxima fase após mono e estéreo. Áudio 3D será a próxima etapa. Como parte desta experiência estou lançando quatro ou cinco faixas de cada álbum em áudio 3D que se tornará disponível.

http://www.factmag.com/2015/09/22/jean-michel-jarre-interview/

studiojmj2

THUMP  (Alemanha) – 24/09:

Colaborações:

“Hoje em dia você é mais como um escritor ou pintor que trabalha em seu atelier “, diz ele , falando na segunda pessoa “, e é raro compartilhar. Você pode unir forças no palco, mas na maioria das vezes você está trabalhando em seus estúdios em separado. Eu tenho sido muito grato e comovido com as pessoas sendo tão generoso me dando boas-vindas , e congratulando-se ao projeto. “

“Sim, eu gosto da música de todas essas pessoas, caso contrário eu não teria cooperado com elas.”

Obsessão pela música:

“Eu falei com o diretor italiano Federico Fellini pouco antes de sua morte. Ele me disse então algo que me impressionou: “Minha vida inteira eu sempre pensei que eu iria filmar filmes diferentes, mas agora, no final, eu percebo que eu sempre produziu o mesmo.” Ele deu a definição perfeita um artista: Produz várias declarações para a mesma obsessão.”

 

JAZZ e a influência no trabalho:

“Para mim jazz é como a pintura abstrata, que está preocupada com texturas e camadas. Por isso, foi uma grande influência no meu trabalho na música eletrônica. É uma maneira sexual de lidar com harmonias e texturas, as coisas cruciais para longe em vez de notas encontradas e acordes.”

MENTOR

“Em primeiro lugar, eu tenho que concordar que Pierre Schaefer foi um mentor real para mim. Devo falar que a música eletrônica vem de dois países: França e Alemanha. Pierre Schaefer e Pierre Henry, com a Música Concreta desenvolvido na França, e Stockhausen, que trabalhou em Colônia com sons eletrônicos. Schaefer me ensinou então algo muito importante: “A música não é apenas notas e harmonias, mas também de sons.” E depois ele me mandou para o mundo: “Você aprendeu tudo o que você poderia aprender aqui. Agora você deve antes deixar seu público vir. Não desperdice seu tempo com a pesquisa de laboratório, o seu futuro está em outro lugar “.

https://thump.vice.com/de/article/unschuld-sehnsucht-neugierdejean-michel-jarre-erklrt-seinen-zugang-zu-kreativitt

 

SOUNDWALL.IT (ITÁLIA) – 30/09

Sobre o sucesso:

JMJ: Para mim, sucesso é o resultado de erros que faz o artista em sua vida. Altos e baixos da vida, e eu quero experimentar tudo isso. Aqui vamos nós outra vez com a curiosidade . Três elementos afetam a criatividade dos artistas : inocência, saudade e curiosidade. A Inocência nos mantém fresco. Saudade traz o menino mau de mim que quer experimentar coisas . E a Curiosidade me faz agir sempre de novo como um novato .

Você pensa como será ouvida sua música aqui alguns anos ?

JMJ:” Não. Você tem que esquecer o momento do tempo, a fim de alcançar a imortalidade .”

Curiosidade sobre Little Boots:

JMJ: Claro que, como eu disse, eu aprendi muito por fazer todas essas colaborações para o álbum, e sim, todo o tempo que passei no estúdio com os artistas me deu um monte de histórias que vale a pena contar. Só para citar um, você sabia que eu descobri Little Boots por assistir a um vídeo no YouTube dela tocando harpa laser?

É correto dizer que você foi uma das principais fontes de inspiração por trás do nascimento, a popularidade e a evolução da música trance, e é claro que você ainda está intimamente ligada ao género , então eu gostaria de saber se o contrário também ocorre com você para inspiração ?

JMJ: Sim com certeza. Eu sei que eu poderia ter sido uma fonte de inspiração para um monte de gente na cena trance , e eu estou tão feliz por isso, mas eles também são uma fonte de inspiração para mim. Estou em um processo de aprendizagem constante , como para qualquer tipo de criador, de qualquer tipo de artista. Tome Armin , por exemplo : ele me disse que eu sou uma espécie de irmão mais velho para ele, musicalmente falando . Nós nos conhecemos em Los Angeles um par de anos atrás, ele foi inicialmente convidado para remixar uma de minhas faixas , mas depois para este projeto eu queria fazer uma faixa completa juntos, e , em seguida, nasceu ” Stardust “.

Em seu início, a música eletrônica foi caracterizada por ser um grande impulso revolucionário, como um novo movimento artístico. Como você disse, vocês pioneiros foram considerados como um bando de malucos brincando com sintetizadores. Então, o que será, na sua opinião, a próxima revolução e o que ela irá nos trazer?

JMJ: Eu sinto que nós estamos entrando em uma nova maneira de abordar sons em geral. Eu estou dando-lhe um exemplo: o aparelho de som foi inventado em meados do século 20, e no começo era uma espécie de sistema falso que tentava recriar artificialmente a sensação de espaço. Agora eu estou falando com você em mono, mas você recebe a minha voz em estéreo, com algum tipo de profundidade e som ambiente, por causa da sala em que estamos. Então eu acho que um possível próximo passo será ir em profundidade com estes conceitos e isso vai nos levar a algum tipo de ambiente de áudio 3D, onde nós vamos ser capazes de escrever e compor música com uma mesma sensação grande de espaço. Isso é algo que ainda não foi explorado no processo de composição, quero dizer como tocar sons ao seu redor e como lidar com isso. Eu realmente sinto que isso será a próxima fase. Não vai ser uma experiência apenas para o ouvinte, mas também para o compositor, isso vai levar todo o caminho mais perto da realidade: Quero dizer, quando você está andando na rua ou onde quer, você está literalmente cercado por sons, mas quando nós escutamos a música é apenas voltado para nós, de uma maneira completamente não natural … Então isso é algo que eu realmente acredito.

Um primeiro passo já foi dado, na verdade, quando eu mixei quatro faixas bônus de “Electronica 1” com um algoritmo especial que permite que você ouvi-las e sentir algum tipo de espaço 3D, mesmo com fones de ouvido comuns, mas eu sinto que o conceito será desenvolvido muito mais no futuro próximo.

studiojmj3

E quanto ao seu futuro próximo? Você vai levar o álbum em turnê?

JMJ: Na verdade eu tenho estado tão imerso no estúdio até um par de semanas atrás que eu comecei a pensar em um show ao vivo apenas nos últimos dias. Quero terminar a música em primeiro lugar, e eu estou falando sobre o volume 2, então a parte ao vivo virá. Estou muito interessado em ir a festivais , eu acho muito desafiadora para caber todo o meu equipamento e meu show em um palco de um festival, com todas as limitações que ele traz , tanto tecnicamente como musicalmente . Por outro lado , eu vou estar fazendo a minha própria turnê com certeza , e será provavelmente diferente das aparições em festivais . Mas vamos começar a pensar sobre tudo nas próximas semanas , de modo que você poderá me ver tocando em alguns festivais por volta de Março(2016).

 

Olhando para trás, para o passado, agora. Sua biografia é definitivamente um dos mais impressionantes que eu já vi: Existe algo que você se arrependeu ou que gostaria que fosse da forma diferente na sua carreira?

JMJ : Oh, sim, muito! Olhando para trás, eu me senti várias vezes frustrante com algumas demos que eu fiz, ou alguns shows que eu até me arrependo Eu fiz alguns dos meus álbuns, mas não vou dizer quais. É parte da vida de cada artista, e se alguém nega-lo, então ele é um mentiroso.

http://www.soundwall.it/jean-michel-jarre-leterno-ragazzo-e-la-sua-macchina-del-tempo/

Yahoo Espanha – 06/10

“Eu fiz o álbum com a idéia de recriar uma história ou colocar uma declaração sobre a música eletrônica . Para ela , não há limites . Eu sempre fui convencido de que ela é muito mais ampla do que outros estilos como o rock, punk ou hip hop . É uma nova maneira de compor e distribuir música “ , disse Jarre no dia 06/10 em entrevista à Efe , realizada em Madrid, publicada no Yahoo espanhol no link abaixo:

https://es.noticias.yahoo.com/jean-michel-jarre-m%C3%BAsica-electr%C3%B3nica-amplia-rock-134851295.html

 24 HEURES (SUIÇA) – 08/10 :

” No início, eu percebi que a música eletrônica devem ser exibidas de uma maneira exagerada , quase à maneira de uma ópera. Porque os instrumentos que o produzem não são projetados para compartilhar notas , como violão ou piano, mas para criar sons. A maneira que eu inventei o ” performer ao vivo ” isto foi um sucesso para além de todas as minhas expectativas . Esta era abusos em todas as áreas do meu coração me manteve longe de negócios, que é a composição . Com este álbum, eu foi encontrá-la. “

studiomjm4

Jarre gravou seu novo álbum no estudio que mantem na cidade de Bougival, nos arredores de Paris, França. Adquirida em 2006 , a casa tem um quarto no primeiro andar ,que o músico usa pouco. Na sala ao lado da sala de audição , Patrick Pelamourgues, o guardião do estúdio, apresenta o próprio estúdio. No sofá vermelho , ” Jean- Michel fica dormindo sobre ele quando está produziu um novo disco. Isso quer dizer que foram muitas e muitas noites “, diz o técnico da sombra , na esteira do chefe desde 1978. ” Eu mantenho o hardware e nas turnês, eu me certificar de que ele irá funcionar corretamente . Devo dizer que o concerto em Moscou, onde o frio estava mordendo a todos, por isso era impossível terminar uma peça sem os veneráveis sintetizadores fora de sintonia. Eu tinha passado o show de duas horas deitado atrás as máquinas com uma chave de fenda na mão.”

Atrás do prédio-estudio escutamos o burburinho de um motor Porsche . Nós tinha encontrado dois, estacionado no pátio : um modelo da década de 1980 , atrevido como o inferno, e um Targa mais modelo recente a tecnologia reluzente . Em seus carros como em sua música , Jarre reconcilia o passado e o futuro.

http://www.24heures.ch/culture/jeanmichel-jarre-ouvre-caverne-ali-baba/story/11590159