EM ENTREVISTA, JEAN MICHEL FALA SOBRE O PAI MAURICE JARRE E TRILHA SONORA

Jean Michel Jarre , o famoso músico de música eletrônica (Oxygene), foi um dos convidados do Festival Lumière 2013, em Lyon para dar uma Master Class(palestra) dedicada ao seu pai Maurice Jarre , compositor famoso de trilhas sonoras para o cinema (Lawrence da Arábia ) . Nesta ocasião, ele concedeu uma entrevista ao Cinezik onde ele discute a sua música, a figura do pai , e fala sobre seu desejo de estender o trabalho de Maurice Jarre criando suas próprias trilhas de filmes no futuro.

Durante a sua conferência em Lyon no Festival Lumière 2013, Jean -Michel Jarre disse: “Esta é a primeira vez que faço uma homenagem ao meu pai”,  falando que aos cinco anos com o divórcio de seus pais, ele deixou de ver seu pai por um longo tempo e essa ausência o machucou emocionalmente, dizendo que ele ainda pode sentir a amargura dentro dele . Quando mais tarde tiveram a oportunidade de se reverem, eles não falaram sobre música, ” modéstia ” . Este tributo permitiu a Jean-Michel Jarre liberar sua palavra pela primeira vez sobre seu pai . Durante esse tempo, misturando o lado emocional, pessoal e artístico, o músico não escondeu sua gratidão ao seu pai : “Ele revolucionou o cenário musical em um ponto culminante da música de som.” Ele cita duas trilhas sonoras como suas favoritas : “La Tête contre les murs” e “Lawrence da Arábia” .

“A minha abordagem à música sempre foi a de fornecer a trilha sonora do filme que todos possam ter em sua cabeça”.

Cinezik : Como seu pai, Maurice Jarre, contribuiu para o seu desejo de ser músico ?

Jean Michel Jarre : Quando eu comecei a fazer música, não foi nada ligado à existência do trabalho do meu pai, por causa da falta de relacionamento que tive com ele. Eu sempre disse que era melhor ter um conflito aberto com o meu pai, porque pelo menos não é algo que exista contra os quais se pode rebelar. A ausência é pior, porque é no espaço , diante de um buraco negro. Então, quando eu comecei a fazer música, não é estranho em tudo relacionado ao fato de que eu tinha um pai compositor. Eu realmente não o percebi. Minha mãe me incentivou a fazê-lo. Hesitei entre a pintura e a música. E finalmente decidi que iria fazer música por causa da minha paixão pela pintura. Eu toquei em bandas de rock. Eu estudei música no Conservatório de Paris. Eu, então, me voltei para o Groupe de Recherches Musicales(GPM) de Pierre Schaeffer, no ano 1968, quando comecei a questionar tudo. Em um trabalho sobre a textura do material, a abordagem orgânica do som ficava perto da pintura abstrata que me interessa (Relieves, Pollock …). Tudo isso é muito relacionado a uma identidade que eu gostaria de construir a partir do meu pai.

Mas agora eu percebo que a cena musical muito me influenciou quando eu era mais novo. O primeiro show que eu vi ao ar livre foi para o primeiro Festival d’Avignon. Já havia a sensação de espaço no mapa musical. Percebi hoje que isso era algo que havia me mostrado o que eu faço, é claro.

Cinezik : Será que você tinha a sensação de ter de provar a si mesmo para você ter um nome?

JMJ : Nunca tive a necessidade de me dar um nome, pois o nome do meu pai não era conhecido onde eu morava. E a trilha sonora não estava na frente do palco como acontece hoje . Eu não tive esse problema .

Cinezik : Quando você faz os seus concertos son et lumière, como uma relação entre a música e a imagem, você criava inspirado no seu pai ?

JMJ : Eu nunca considerei isto como son et lumière. Eu sempre tive a visão do concerto como um evento único. Concertos ao ar livre são como viajantes que montam a sua tenda em um dia para depois desaparecerem no dia seguinte. Isto me faz lembrar dos circos “Amar”, “Pinder” … Eles me deram essa visão de concerto ao ar livre com imagem, especialmente porque eu tinha a pintura. Eu creio que se eu não tivesse optado pela música , eu teria feito arquitetura. Eu só descobri anos depois que o meu pai(Maurice Jarre) havia criado um dos primeiros espetáculos de son et lumière. Foi no Château de Chambord, na década de 50 .

Minha abordagem para a música sempre foi fornecer a trilha sonora de um filme em que todos possam ter em sua cabeça. É a partir daí é que eu imagino um projeto conjunto, a visualização da minha música, que é de alguma forma anti-MTV, não particularmente querendo incorporar um conteúdo narrativo , mas, a fim de estender o acordo do som no arranjo visual para continuar a deixar que as pessoas digam sua própria história. É um pouco de um compositor de música para cinema em um sentido inverso.

Cinezik : Por que você não faz mais trilhas sonoras de filmes até agora ( algumas de suas trilhas são da década de 70) ?

JMJ : Inconscientemente , eu sempre pensei que era o território do pai. E os concertos e álbuns que eu fiz , não valiam à pena entrar em um território já ocupado. Hoje eu mudei um pouco , eu quero fazer por ele. Isso é algo bastante novo que eu sinto sobre ele.

Cinezik : Que tipo de colaborações você imagina para um filme ? Que tipo de música de filme que você quer fazer hoje ?

JMJ : Tudo depende de um encontro com os cineastas. Para o meu pai , houve uma reunião inicial com o cineasta francês Georges Franju, que colocou o pé no estribo do cinema francês, começaram juntos com curtas-metragens para em seguida, subir para filmes muito especiais na abordagem de som. Então, mais tarde , houve o encontro com David Lean , que será o ponto de partida de sua carreira em Hollywood, e uma nova maneira mais sistemática e obsessiva de usar o tema . Continuando, isto me interessa hoje com um encontro com um diretor que tem os meios para concretizar as suas ambições . O cinema independente me interessou mais do que o cinema dos grandes estúdios , principalmente porque os cineastas não decidem a música de seu filme . Há supervisores que são responsáveis por estabelecer a trilha sonora, e os estúdios perdem o interesse e a música acaba virando um critério econômico de decoração do filme. Perde-se a liberdade que o compositor encolheu . Isto já não existe no cinema independente. Infelizmente, eu não acho isto suficiente no cinema francês. Eu creio que, com raras exceções, os cineastas franceses não são muito ousados. Eu penso em Tarantino. Embora o uso da música existente tenha uma visão clara de que os seus filmes deveriam ter. A música faz parte do cromossomo de seus filmes. Estes compositores não são muitos. Existe também David Fincher com Trent Reznor e Atticus Ross (““ Rede Social” ) , como um bom exemplo, e, em seguida, Cliff Martinez com Soderbergh (“Traffic”). É nessa direção que eu quero seguir .

Cinezik : Como Delerue para De Roubaix, como os filhos que cuidam para perpetuar a obra do compositor que faleceu. Você acha que pode contribuir para esta tarefa por Maurice Jarre ?

JMJ : As coisas estão bloqueadas na justiça por causa de sua viúva que não tem os mesmos pontos de vista que minha irmã e eu temos sobre a maneira de explicar suas músicas. Eu acho que na minha posição no mundo da música, seria muito fácil para mim chegar e ” explorar ” este catálogo , no sentido certo. Há coisas que devem ser feitas e que ainda não foram feitas. Espero que um dia isso possa ser possível.

Maurice Jarre e sua ultima esposa, Fong F. Khong e Jean Michel Jarre[gallery link="file" columns="2"]

 

 

Cinezik : Você acha que possa prestar homenagem a seu pai, em sua própria música, pela recuperação de um tema , por exemplo?

JMJ : É algo que amadureceu em mim. Thierry Fremaux , que me pediu para fazer esta homenagem no Festival Lumière de Lyon havia feito esta proposta imediatamente após a morte de Maurice, durante o Festival de Cinema de Cannes. Ele queria organizar um concerto no Palais des Festivals. Eu pensei que ainda era muito cedo. Foi digesto. A homenagem em Lyon este ano faz sentido, uma vez que esta é a nossa cidade . No futuro , eu gostaria de fazer uma homenagem musical, como um tema ou retomar o seu trabalho . Eu gostaria de fazer algo rigoroso e emocionalmente para que sua música possa ressoar através de seus descendentes , e ressoar para todo um público de outras gerações .

Entrevista original(em francês): http://www.cinezik.org/infos/affinfo.php?titre0=20131017022307

Agradecimentos: Dlaivison Ribamares

VIDEO AQUI:

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.