CONVERSA NA MESA DE UM BAR COM JEAN MICHEL JARRE

Georgi Gotev é um jornalista búlgaro e editor sênior da EurActiv, site de notícias europeu com sede em Paris. No dia 29/09, ele postou uma entrevista com o músico francês Jean Michel Jarre após encontrá-lo ao acaso no dia 25 de setembro de 2013, em um bar de Paris. Ele lhe disse que tinha duas paixões: música e política e falaram sobre ambos na entrevista que publicamos abaixo editada que pode ser lida completa junto com o vídeo abaixo:

P: Jarre, você está ciente que sua música mudou as vidas das pessoas na antiga Europa Oriental e ajudou a derrubar o “Muro de Berlim” ?

JMJ: Eu tive a consciência sobre isto depois. Porque quando estamos criando as coisas nós não percebemos ,por definição, o impacto que elas podem ter. A verdade é que, desde o início do meu trabalho, eu recebia várias cartas que vieram da Europa Oriental, os países do Leste que sofreram com a ditadura soviética, cartas que me afetaram muito me incentivando. Isso significa que a minha música foi recebida desde o início, como um símbolo de fuga, liberdade, proibida em países do outro lado da cortina de ferro, especialmente na Rússia, na União Soviética. Isso deu significado extra para o meu trabalho como compositor e músico. E, desde o início, tenho desenvolvido uma série de relações pessoais com vários países, como a Bulgária, que foi um dos primeiros países onde as pessoas me enviaram cartas de encorajamento. Paradoxalmente, assim como em meu próprio país. Isso é algo que, obviamente, me tocou, é parte do meu DNA de alguma forma.

P: Você tem realizado vários shows no Oriente, como a China e em países em desenvolvimento, como o concerto nas Pirâmides do Egito. O que o atrai para esses lugares , é para mostrar a herança cultural da humanidade?

JMJ: Várias coisas. Quando eu comecei, música que eu faço, música eletrônica, não era tão popular como é hoje em dia. E havia uma questão: como montar o palco, como tocar, como interpretá-la? Eu sempre fui muito envolvido com a ecologia e a importância do meio ambiente e pareceu interessante ligar a música com os espaços e lugares onde tocava. E também ligada com a noite, como os viajantes que montam suas barracas e desaparecem no outro dia. Para mim, sempre foi esse o lado poético de viajar e as viagens com os seus mistérios. Isso não é um paradoxo: o efêmero é o que permanece mais no seu coração.

Isto também é o tipo de coisa que eu queria compartilhar com o público: estar em sintonia com seu ambiente, indo na direção deles. Isso é o que também me trouxe mais perto da UNESCO e da importância que a UNESCO teve, tem e terá de fato, identificar claramente um número de lugares no mundo que fazem parte da nossa memória coletiva, global, a nossa identidade como terráqueos, para além das fronteiras, ela deve não só manter, mas também viver. E eu como criador, o que me interessou foi não considerar estes lugares como pedras mortas ou ter uma abordagem de museu, lugares em que um queijo é colocado, pois todos esses lugares foram construídos na época em que os benefícios da sociedade de uma forma ou de outra: religiosas ou civis da sociedade, sejam quais forem tiveram efeito. E então, de repente, é algo que eu queria comemorar. E a música, não a canção, é por definição, uma linguagem universal…Os concertos são aventuras artísticas, mas eles também são aventuras humanas, seja na China, Egito, África, América, Rússia, o Oriente também, onde eu tenho laços muito fortes com a Bulgária, Polônia, República Checa, Hungria – estes são os países que representam muito para mim.

P: Faz 20 anos que você se tornou Embaixador da Boa Vontade da UNESCO. Conte-nos sobre seu trabalho.

JMJ: Eu sempre sou apontado como um artista que corre atrás das causas, e muitas vezes isto é algo ambíguo, porque eu não creio que este seja o papel dos artistas de transformarem a sua cena em plataforma política. Eu acho que essas são duas profissões diferentes. No entanto, penso que a partir do momento em que você tem um contato com público, temos uma responsabilidade, e existe uma série de coisas que podemos transmitir através da nossa criação.

O que me atraiu imediatamente para a UNESCO, quando o Diretor-Geral Federico Mayor, pediu-me para ser Embaixador da ONU para a UNESCO, foi que ela seja a única organização “não-política” e capaz de pensar sobre os problemas que irão surgir em 25-30 anos, isto é, pensar a médio prazo e a longo prazo. E isso em um mundo onde ela é refletida muito a curto prazo.

P: Mas o mundo vai ser melhor hoje ? Ele não foi sempre um crânio para fora da crosta da terra, como na capa de seu disco de Oxygene ?

JMJ: Está latente. O que eu gosto nesta pintura de Michel Granger que é o autor da capa, foi que ela é uma imagem que não é necessariamente pessimista. É, antes, uma pergunta: O que é que vamos fazer? Este é o problema que é exacerbado por um dos tabus da nossa sociedade, que é o problema demográfico. É através da educação que chegamos a compreender as catástrofes naturais, para reduzir o extremismo religioso, e para melhor controlar a população, que é algo que nós não falamos o suficiente em minha opinião.

Todas estas questões são causas caras a UNESCO, que têm prioridade, eu diria até mais, é essencial, e é por isso que estou extremamente satisfeito que hoje a CEO da UNESCO seja uma mulher. E uma mulher como Irina Bokova que por muitas razões eu acho, encarna o que deve ser uma dos grandes líderes intelectuais deste mundo. Ou seja, de fazer política no sentido grego do termo, pensando no futuro da instituição, no futuro dos nossos filhos e nas gerações futuras. E também porque ela é búlgara. Isso é algo que é interessante para mim também. Por quê? Porque todos os países do Oriente têm conhecido quase um século de dor e sofrimento. Mas nós sabemos que o que não te mata te faz mais forte. E eu estou sempre impressionado com a sabedoria da Europa Oriental, além da Bulgária, todos os países do Oriente. Eu acho que deve haver uma ligação entre o ocidente com o oriente, o norte com o sul.

E eu acho que a única mulher que está à frente das organizações da ONU, é algo essencial. E eu penso que Irina Bokova esteja totalmente em sintonia com a forma de lidar com o problema da educação, a questão da igualdade e do tratamento das mulheres, das crianças, é claro, o problema da ecologia, o problema da água e a cultura também.

Embaixador da Boa Vontade Jean Michel Jarre e Irina Bokova , Diretora-Geral da UNESCO

E isso nos leva ao papel da União Européia em relação à cultura. Eu acho que a cultura é hoje mais do que nunca uma chave para o desenvolvimento sustentável. E, além da cultura, existe o conceito de propriedade intelectual. Ou seja, o famoso conceito da exceção cultural é extremamente discutido hoje na Europa, e que o Sr. Barroso tomou uma posição [nas negociações para a parceria transatlântica sobre Comércio e investimento].

Vejamos que nós estamos todos abalados com toda a evolução da conexão de Internet, etc. Não se esqueça que uma coisa é que a propriedade intelectual que é um dos fundamentos da democracia e dos direitos dos criadores de ganhar a vida a partir de seu trabalho que é algo que diz respeito a todos. Em cada família há crianças, irmãos e irmãs que querem ser cineastas, músicos, fotógrafos, artesãos, arquitetos, etc. A sua criação é a identidade do futuro.

Tem sido assim desde que os seres humanos estão neste planeta. Portanto, este não é apenas um problema de direitos autorais, não é um problema financeiro – quem vai ganhar dinheiro. Isso é muito mais amplo. É também a sobrevivência de alguns países em desenvolvimento. Isso quer dizer que existem as pessoas que estão saqueando a riqueza hoje no mundo da publicidade, da moda, muitas vezes sem o saber, sem compensação para as comunidades carentes.

E eu acho que a Europa tem um papel a desempenhar, porque ela foi e ainda está à frente dessas questões. Como respeitar a cultura pois a cultura é um dos pilares da nossa sociedade e é a Europa que sempre esteve na vanguarda desse processo, e tem que continuar. Como os chineses, com a Ásia, como os Estados Unidos, com a America e também ter essa discussão entre o Norte e o Sul. O Leste com o Oeste. E a UNESCO, é claro, está no centro dessas discussões.

E como estamos falados tanto de paridade, é tempo também de aplicar na cabeça de várias organizações. É por isso que a presença de Irina Bokova na cabeça da UNESCO é tão essencial hoje.

P: Onde está a música? Eu não tenho certeza de que o vinil não tenha a melhor qualidade de som do que o MP3 ou CD. Você que inventou instrumentos musicais deveria saber?

JMJ: Na verdade, existe um paradoxo que nasceu com o advento do CD, da qual o vinil tinha falhas, mas era uma mídia de muito boa qualidade. Fomos apresentados ao CD como o Santo Graal da reprodução de produtos e de som que seria o ideal, mas percebemos que este não era o caso, o CD é pior do que o vinil. Depois veio o MP3, o que era pior do que o CD. Então, houve uma regressão no caminho do outro, o que acabou mudando a orelha, bom ou ruim, não importa, mas isto mudou. E, ao mesmo tempo, do ponto de vista tecnológico, nos estúdios de gravação de filmes é a mesma coisa, têm evoluído. Existe uma defasagem entre a qualidade cada vez mais importante que um jogador pode ter em um estúdio e como sua música vai ser ouvida.

Mas isto vai se equilibrar. A música do futuro deverá necessariamente passar por uma grande revolução na maneira de escutar. Hoje estamos na era digital, como no tempo do século passado, quando se ouvia um gramofone. Com MP3, estamos em uma situação de um gramofone digital. O século XXI, espero e acredito, lhe permitirá explorar formas mais sutis e relevantes para apreciar o som e a imagem em geral.

 

P: Como para a música em si?

JMJ: Sim

P: O que faz você querer? Fazer música no espaço?

JMJ: Há alguns anos, Arthur Clark, autor de “2001 – Uma Odisséia no Espaço”, na qual eu era muito meu amigo, disse para mim: “você terá que fazer um show na Lua um dia” . Eu respondi: “Arthur, isso não é grave, na Lua não há atmosfera, o som não pode ser transmitido. “Ele disse:” Não, mas você encontrará uma maneira, eu sei que isso vai acontecer um dia.”

Então, eu não sei, mas ainda existem tantos locais e lugares na Terra, também relacionadas com a UNESCO, entre outras coisas, há muito que criar para ter sucesso neste planeta antes de se aventurar em outro … Mas nunca se sabe …

Vídeo

Entrevista completa: http://reuniting-europe.blogactiv.eu/2013/09/29/he-changed-my-life-jean-michel-jarre/

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.