Categorias
Charlotte Rampling Colaboração MÔNACO - 2011 Mônaco MIDEM Novo álbum (201X)

MIDEM 2013 : JARRE PROMETE ÁLBUM EM COLABORAÇÃO E TURNÊ PARA 2° SEMESTRE

Informação postada de entrevista realizada no MIDEM 2013, para a agência de notícias EFE para a imprensa espanhola, replicada por vários sites de países em língua espanhola:

Com “Oxygène” Jean-Michel Jarre, pulou a mais de 35 anos atrás, para o panteão, até então não existente, do Olympus da música eletrônica. Em meados de 2013, este mestre pioneiro, anuncia um retorno com um novo álbum, rodeado por alguns dos membros deste panteão que ele ajudou a construir.

” -Isto será provavelmente em Setembro ou Outubro e eu irei voltar com uma nova turnê que poderá passar pela Espanha”.

” – Existem vários músicos eletrônicos que tem me dito que eu sou uma influência para eles, mas eu digo que isto trabalha de diferentes formas”, diz Jarre citando como referência consolidada artistas como The Chemical Brothers e Moby (a quem ele chama de “um grande amigo meu”), além dos artistas franceses Justice, Air e Sebastien Tellier.

” – Na Espanha, eu também encontrei um jovem DJ muito interessante, John Tallabot”, que esteve com ele em novembro passado quando ambos se tornaram membros honorários da “Universidade de Alcalá de Henares”.

No MIDEM 2013, encerrado na última terça-feira, este visionário que gravou “Oxygène” em casa, o álbum que começou a revolução dos sintetizadores dos anos 70, Jarre falou em ser uma ponte entre a música da França e a crescente e poderosa cena musical de Taiwan. Na China seu status brilha como antes, graças a outros discos como “Equinoxe” (1978) ou “Magnetic Fields” (1981). Ele culpa o conhecimento que existe na China a música clássica e as relações entre ele e os eletrônicos:

“- Existe um estilo como rock ou hip-hop, mas a forma de fazer música, como a clássica é baseado em uma herança européia e por isso tem esse caráter universal que é tão bem compreendido na China”, ele explica.

Em seu discurso, as conexões eletrônicas tornaram-se ainda mais altas e de longo alcance como os temas que inspiram e que o levou a tocar no deserto egípcio perto de Gizé, e tentar tocar nas Pirâmides de Teotihuacán, no México (o palco foi perdido em naufrágio no Oceano Atlântico, algumas semanas antes do evento).

Não existe ações na forma de agir em alguns DJs que apenas tocam um botão para suas ações. “Se você entra em um palco, é para dar algo diferente do que é oferecido no disco, na gravação“, argumenta ele.

E outra grande contribuição para o esquema internacional da música de Jarre foi sua visão monumental das artes do espetáculo. Ele explica que quando começou a tocar, não parecia “muito sexy” passar duas horas no palco na frente de um computador, então “eu pensei como poderia transferir o meu espírito para viver de música“.
” – Eu estava obcecado com a ópera como uma forma de arte. Por que esses compositores como Verdi, Rossini e Wagner, com suas músicas magníficas, queriam trabalhar com carpinteiros, técnicos de iluminação, pintores e cenógrafos? Para dar mais no palco”, ele responde.

Projetado encenações tão profissionais e esmagadoras com o passar dos anos, saltou para a cena musical com bandas de rock como The Rolling Stones e U2, campeões do “rock de estádio”.
– Eu estou muito feliz que eu tenha contaminado a música neste sentido“, ele diz. Ele conseguiu juntar mais de 2 milhões de pessoas em 1990 no concerto de La Defense em Paris e  ele não tem medo de ser acusado de “pomposo” ou “recarregado”:
– Eu gosto da essência poética do conceito de circo. O Ato em uma noite, para apropriar-se do lugar e desaparecem na manhã seguinte. Para mim, isso é o melhor desempenho“, finaliza Jarre.

Fonte:

http://www.efe.com/efe/noticias/america/ame-cultura/jean-michel-jarre-promete-nuevo-disco-con-colaboraciones-para-este-ano/2/9/1961393

E ainda para uma entrevista ao site francês Webtimemedias.com, também no MIDEM 2013, Jean Michel Jarre também aproveitou a oportunidade para discutir algumas memórias, especialmente o concerto que deu em Mônaco (2011), para o casamento do Príncipe Albert II. Um concerto onde tentou transformar o Principado de Mônaco em um anfiteatro íntimo, enquanto tinha algumas limitações técnicas. E suas memórias pessoais com o Festival de Cinema de Cannes, onde conheceu a mulher que ele sabia que viria a se tornar a mãe de seus filhos: Charlotte Rampling. O início de uma vida e o começo de uma família. Outro fato notável do Festival de Cannes foi seu encontro com o cineasta italiano Federico Fellini que lhe ofereceu no final de uma noite para compor a música para seu próximo filme, que Jean Michel Jarre acabou recusando considerando-se incapaz de substituir o talento de Nino Rota (falecido em 1979) cuja música estava intimamente ligada ao trabalho do cineasta italiano.

http://www.webtimemedias.com/article/cannes-jean-michel-jarre-au-midem-pour-defendre-le-droit-d%E2%80%99auteur-20130129-51466

Avatar

Por Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.