JARRE É ENTREVISTADO NA KEYBOARD RECORD DA FRANÇA

Na ultima edição da revista francesa “Keyboards-Recording” de Janeiro de 2011, o músico francês Jean Michel Jarre foi entrevistado onde faz crítica a França por deixar o ensino de música eletrônica nas escolas francesas de lado, mesmo tendo vários pioneiros ao longo dos anos. Parte da entrevista:

JMJ:

…Acho que é lamentável e bastante sintomático na França, a falta de reconhecimento deste universo pelas “autoridades”. Este também é um problema que começa na educação: enquanto em outros países europeus, a música é considerada uma disciplina separada, assim como história e geografia, matemática, aqui(na França) não.

 

KR:O irônico é que, como parte do seu domínio, a música eletrônica francesa tem algum reconhecimento fora das nossas fronteiras …

JMJ:

Sim, existe uma verdadeira legitimidade. Não é por acaso que a música eletrônica francesa é uma das maiores do mundo, ela herdou um caráter próprio. Em junho deste ano, recebi o prêmio MOJO, que me foi dado por John Foxx (fundador do Ultravox e editor), que explicou: “Quando eu era mais jovem, na Inglaterra, nós fomos invadidos pela música americana, e quando ouvi sua música pela primeira vez, eu descobri algo fundamentalmente europeu, e isso me fez querer fazer outra coisa, criar o Ultravox …” Eu acho que é muito significativa para a maneira como a França criou uma abordagem única à música … E isso é porque nós tínhamos alguém como Pierre Schaeffer.

KR: Nós já não falamos muito dele ainda…

JMJ:

Isso é verdade. E é escandaloso que não tenham comemorado o centenário de seu nascimento em 2010. Se estivéssemos nos Estados Unidos, ele seria mais importante do que John Cage, Philip Glass e todos os músicos norte-americanos juntos! Aqui, ninguém fala … Foi ele quem abriu o caminho, fez uma boa abordagem à música através do design de som que não se limita aos aspectos teóricos, os rudimentos de música, canto, etc.

KR: O GRM (Grupo de Pesquisa Musical), que participou, desempenhou um papel especial neste surgimento?

JMJ:

Eu sei que se estou aqui hoje é por causa do GRM, e graças a Schaeffer. Música como fizemos hoje, onde usamos todos os métodos dos sons do trânsito, seja no DJ no hip hop, techno, ou até mesmo no rock, vem dele . Este não foi o caso de Stockhausen, que tinha uma abordagem intelectual da eletrônica integrada na música contemporânea, não em todos, no conceito de material de som. Isso aumentou a legitimidade do sistema eletrônico francês, que quase ninguém fala. É verdade que se pode afirmar de fora, e há alguma forma de respeito para os músicos do mundo em relação a isso.

KR : É engraçado: você falar sobre coisas básicas e outros aspectos do som, para que possamos ter a impressão de que Jean Michel Jarre, hoje é uma grande máquina, uma enorme estrutura ? É um equívoco?

JMJ:

Na realidade, somos uma equipe pequena.. Eu me sinto mais móvel do que nunca, com um espírito único de comando e não como um time grande. Há também a noção veiculada pelos meios de que um artista deve renovar-se constantemente, ao passo que para mim, um artista geralmente tem uma coisa a dizer, um universo próprio e que ele continua a tentar sua abordagem. Embora eu tenha errado em alguns “truques”, eu não estou particularmente orgulhoso, ele devo tentar criar o meu caminho, independentemente dos modos, e a cena atual me ajuda muito nesse tipo de idéia de inocência e desejo.… Esta é a citação de Cocteau: “O que te culpar, cultivá-la, é você” …

  

A entrevista completa pode ser lida em francês no site da revista

http://www.keyboardsrecording.fr/medias/2630/jean-michel-jarre-l-039integrale.html

 

Marcos Paulo

Fã Clube criado em 1997 nos primórdios da internet no Brasil. Buscamos sempre a realização de ao menos uma apresentação do Maestro Jean Michel Jarre em nosso país.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0