Categorias
CISAC Coronavírus Covid-19 UNESCO

“A GAFA DEVE PAGAR”, ACREDITA JEAN-MICHEL JARRE

Reportagem do jornal Le Devoir – Canadá – 16/04/2020

Clique, uma série. Clique em uma discografia completa. Clique, um concerto sinfônico virtual. Clique, um filme, dois filmes, três filmes. Enquanto isso, Google, Apple, Facebook e Amazon, também conhecidos como GAFA, esfregam as mãos, sorrindo em seus lábios.

“Nestes tempos de crise generalizada, essas grandes plataformas são as únicas que enriquecem nas costas do vírus”, diz Jean-Michel Jarre. “Elas fazem sua manteiga com conteúdo criado por pessoas que, na maioria das vezes, não têm comida.”

É para virar a maré, que a UNESCO, da qual Jean-Michel Jarre é Embaixador da Boa Vontade, lançou o ‘Resiliart’ na quarta-feira. Um movimento criado em colaboração com a Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores (CISAC), da qual também é presidente o pioneiro da música eletrônica. “Festivais são cancelados, cinemas estão fechados. Há técnicos e criadores que não sabem como alimentar suas famílias. A ideia simples do ‘Resiliart’ é incentivar cada país a ter tais debates e trazer as questões para a cena pública. Vamos precisar de arte mais do que nunca como um meio de resiliência, para sermos capazes de encontrarmos uns aos outros.”

Na quarta-feira, o primeiro desses debates, realizado online, foi conduzido por Yasmina Khadra, entre outros. O autor argelino lembrou em particular que “a música é o único talento que Deus inveja aos homens” e que “a cultura é um setor que cria empregos e oportunidades”. Também estava presente a musicista beninese Angelique Kidjo, que disse: “No dia em que a GAFA estiver pronta para se levantar de manhã, ir trabalhar, e não receber um cheque no final, poderei dizer sim ao conteúdo gratuito”.

Pôster do debate virtual ‘ResiliArt’, organizado pela UNESCO e CISAC

“A relação dos artistas com o dinheiro sempre foi difícil, mesmo que eles tenham que estar cada vez mais conscientes do negócio ao seu redor”, observa Jean-Michel Jarre. “Os artistas são vulneráveis porque eles próprios duvidam de seu valor. Como pode um escritor ou um músico julgar quanto vale o que acabou de escrever ou compor?”

Mas esse valor é imenso. “Há três bilhões de pessoas que estão confinadas por semanas. E o que essas pessoas estão fazendo? Elas saem para buscar comida. Caso contrário, elas consomem cultura. Filmes, livros, música. Notavelmente por telas interpostas, na Internet. Isso requer muita reflexão”, complementa o músico francês

Entre elas, está a forma como a cultura é dada. Embora nunca deva ser. “A democracia precisa de cultura”, diz o compositor. “É por isso que as ditaduras são cautelosas com isso.”

ABORDAGEM HUMANA

No início da pandemia, a atriz Gal Gadot lançou uma gravação em que seus amigos famosos cantaram Imagine, de John Lennon. A ira online foi terrível. Imaginar se você tem um banheiro do tamanho de uma casa com um spa na sala de estar e milhões no banco, é fácil. Agora, imaginar, quando você acaba de perder seu emprego e tem bocas para alimentar, é difícil.

A imaginação de Jean-Michel Jarre, da UNESCO e do CISAC é de outra forma mais humana. É sensível e concreta. “Imagine uma contenção global sem música, sem cinema, sem videogames, sem livros. Seria um deserto e um desespero total”, disse ele. O ‘Resiliart’ tem como objetivo propor discussões e soluções para que tal mundo não exista — ao mesmo tempo em que garante que os artistas sejam pagos por seu valor justo. E a principal solução, segundo o compositor francês, é simples. “Os governos devem exigir um imposto da GAFA de uma vez por todas. A solidariedade também deve passar por eles. Há uma janela agora para mudar esse paradigma.”

Na capa de Oxygène , você pode ver a Terra. Na Terra é sobreposto um crânio. O álbum, o terceiro de Jean-Michel Jarre, foi lançado em 1976. E, no entanto, é surpreendentemente atual. “Sem um trocadilho pessoal, hoje, mais do que nunca, a cultura é como o oxigênio que você respira. Se queremos que os criadores continuem a ter oxigênio, devemos dar oxigênio para eles.”

Durante o debate, o veterano repetiu muitas vezes: “Não estamos pedindo caridade, apenas uma remuneração justa. Os artistas não precisam de um Teleton. Não são pessoas doentes que precisam ser ajudadas.”

No entanto, a cultura deve ser ajudada a receber o respeito que merece. Inventando uma nova economia no mundo digital. Parar com essa ‘desvalorização progressiva’, como ele chama.“Há pessoas que se recusam a pagar por uma obra que representa meses de trabalho, mas que não hesitam em comprar um par de tênis por 100 euros que, além disso, custam um euro na China”, lamenta Jean-Michel Jarre. “A defasagem é realmente alucinante. Temos que parar com isso.”

O que não devemos é parar de falar sobre o papel que as artes desempenham em nossas vidas. “A prioridade é que as pessoas se curem. A segunda é que as pessoas possam matar a fome, enquanto alimentam seus corações e cérebros. E esse é o trabalho dos criadores. É por isso que temos que respeitá-los.”

Reportagem de Natalia Wysocka

Fonte: Ledevoir.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.