Categorias
Coronavírus Covid-19 EōN

JEAN-MICHEL JARRE: “EU SOU UM CONFINADO!”

No outono passado, foi revelado o EōN, um aplicativo que ele imaginou, para gerar música ao infinito. O “Papa do Eletro” inventou a “contenção eletro” com alguns meses de antecedência? Telefonamos para a pessoa em questão, que nos atendeu de seu apartamento em Paris, com sua máscara em mãos.

Entrevista para a Technikart Magazine – França – 15/04/2020

Como está sendo seu confinamento?

“A sociedade é dividida em duas: por um lado há o pesadelo dos hospitais e das pessoas que podem morrer; e de outro o resto da população que é tão anestesiada, em uma vida cotidiana abstrata, com um ar que nunca foi tão puro, patos e veados brincando nas ruas, golfinhos nos portos italianos… Estamos em um filme de ficção científica, com os drones dizendo para você ir para casa. Pessoalmente, sou um confinado! No meu caso, como no de outros artistas de música eletrônica, alternamos confinamento (o estúdio) e externalização (festivais, etc.). Ficar em casa não me incomoda muito. No último dia antes do início da contenção, recebi dois grandes sintetizadores que eu tinha pedido. Pela primeira vez em muito tempo, tirei um tempo para explorar esses novos instrumentos completamente. Foi bastante emocionante, me afastei do computador e voltei ao jeito que eu estava trabalhando no início, antes do Oxygène.”

Você está compondo ou é um jogo puramente gratuito?

“Eu componho, porém, sem nenhum propósito específico. Nenhum álbum ou turnê para preparar. Todos os prazos são adiados, e você volta para uma câmara de ar, uma bolha… Normalmente, eu não estou com uma espada de Dâmocles acima da minha cabeça, mas ainda assim, é diferente psicologicamente. Tenho liberdade. Não tem nada a ver com trabalhar com um projeto específico. Ainda é estranho: temos tempo, mas o tempo necessário não é o mesmo e eu estou até mais acostumado a ter que roubar tempo para criar. É paradoxal com o que acabei de dizer, mas também acho que os dias às vezes passam muito mais rápido.”

Você aproveita a oportunidade para redescobrir livros, discos, filmes?

“Sim! Séries, também: “Ozark”, que é incrível, “Fargo”, completamente louco, “Muito Velho para Morrer Jovem, absolutamente demente… E eu vejo filmes, eu leio...

Seu aplicativo EōN acaba sendo a trilha sonora perfeita para o confinamento, certo?

“Funciona bem juntos! É uma ideia que eu tive por muito tempo. Toda a música que existe tem um começo e um fim. E eu queria projetar uma música com um número ilimitado de começos e sem fim – música que se desdobra como a vida, onde nada que acontece vai acontecer novamente. A tecnologia não me permitiu fazer isso, até o mundo dos aplicativos chegar. Há pontes com contenção: a incerteza do dia seguinte, do momento que virá – que é o nosso cotidiano. Mas é exacerbado hoje, com o silêncio do meio ambiente. EōN, não é ambiente: o ambiente é muitas vezes monótono enquanto aqui a música é muito variada. Tecno alternado, melódica…”

Como podemos fazer o melhor uso do EōN durante as poucas semanas de confinamento que nos restam?

“O interessante é iniciar o aplicativo e ver o que acontece. Eu sei que há pessoas que ouviram EōN dia e noite por uma semana! Eu não aconselho a fazer isso. Não tenho conselhos para dar, mas nossa relação com o tempo é diferente no momento. E com o EōN também temos outra relação com sons e música. Quando um dia começa mal, você não pode voltar para sua cama para levantar com o pé direito. Com o EōN, se está chato no início, basta reiniciar o aplicativo e é outra história que começa, na qual você pode ficar o quanto quiser. Não sabemos o que vai acontecer. Há um lugar para o acidente. Esta é a antítese da playlist, uma boa terapia para o Spotify. Gostaria de acrescentar que optamos por desenvolver o app na Apple, mas ele vai sair no Android. Peço que as pessoas que possuem Android não se desesperem! E finalmente: o app é muito bem avaliado na Internet, um milagre no mundo dos haters. E eu vou lançar um concurso de remixes, cujo vencedor será revelado no dia do Record Day.”

Última pergunta: você acredita em um “pós-mundo” ou é uma ilusão?

“Será um pouco como um período pós-guerra: haverá um desejo de viver de forma diferente. Não vai durar muito, mas haverá uma janela de seis a nove meses – depois disso, vamos voltar aos nossos velhos vícios… Até onde essa mudança pode ir é misteriosa. Não podemos esquecer que para a maior parte do planeta, vai ser extremamente difícil. Quanto ao setor cultural, está devastado. Vamos parar de pensar que a cultura é subordinada. O que é consumido durante a contenção? Comida e cultura. Livros e filmes são tão necessários quanto vegetais. E não vamos esquecer das plataformas GAFA ( Google, Apple, Facebook e Amazon), que atualmente estão fazendo uma enorme manteiga nas costas do vírus. Eles terão que colaborar no esforço pós-guerra, colocar as mãos no bolso de uma maneira substancial, para apoiar as pessoas cujo conteúdo eles exploram e enriquecem.”

EōN está disponível na Apple Store (preço: 9,99 Euros)

Entrevista de Louis-Henri de La Rochefoucauld

Fonte: Technikart.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.