Biografia

A metamorfose

Jarre e o The Vizitors
Jarre com o grupo The ViZitors

Em Janeiro de 2000, Jean-Michel Jarre lança seu novo álbum, “Metamorphoses”, uma grande virada na sua carreira que conta com participações especiais de artistas como Sharon Corr, Natacha Atlas, Laurie Anderson (que já havia participado no Zoolook), entre outros. Jarre pela primeira vez usa vozes (incluindo a sua) para criar novos efeitos no álbum. Apresenta “Metamorphoses” para a imprensa mundial em um showcase no “Man Ray”, um elegante night-club de Paris.

Jarre assina um contrato de patrocínio com a companhia dinamarquesa de aparelhos de som, “Bang & Olufsen”, na qual incluirá sua participação no design de novos produtos da empresa.

Durante os meses de junho à outubro, é apresentado durante a “GlobalTekno” uma feira artística do Festival D’Avignon, uma exibição de vídeos e uma faixa inédita, chamada “Metamorphoses”, que não foi incluída no álbum homônimo. Essa faixa foi criada usando sons do corpo humano como batidas do coração, respiração etc.

Infelizmente, as poucas vendagens de Metamorphoses e de seus singles (C’est La Vie e Tout est Bleu), fazem Jarre abandonar a ideia de criar uma turnê tendo o álbum como carro chefe e consequentemente todos os outros shows programados para o segundo semestre de 2000.

Insatisfeito com o site oficial da Sony Music (Jarre.com), Jarre se une com os fãs que administram o site Galaxie Jarre, para criar um novo site oficial: o Jarre.net.

Em julho de 2000, Jarre se junta ao seu velho conhecido, Tetsuya “T.K.” Komuro para o lançamento de um site de entretenimento na Ásia, o Rojam.com. Jarre convida T.K. para uma visita à Paris e juntos criam músicas para um futuro álbum a ser lançado em 2001.

2001 – Uma odisseia para Jarre

Jarre e T.K. (junto com Francis Rimbert e outros três músicos japoneses) criam uma nova banda chamada “The ViZitors”. Juntos, planejam um show na ilha de Okinawa, no Japão, em homenagem ao escritor de ficção científica Sir Arthur C. Clarke (1917-2008). Amigo de Jarre, Clarke grava um material para o show, que conta ainda com o designer e projetista Mark Fisher (1947-2013). O show “2001 – Rendez-Vous in Space” ocorre em 01/01/01 e apresenta composições novas que servirão de base para o álbum do The ViZitors. Projetos de outros shows são planejados mas acabam não ocorrendo. A banda então é desfeita e o disco cancelado.

Jarre durante o concerto de Akropolis

Convidado pelo governo da Grécia e por uma ONG filantrópica grega, Jarre organiza mais dois concertos (Akropolis) em Atenas, capital grega, nos dias 19 e 20 de junho de 2001. Os concertos ocorreram aos pés da Acrópole, no anfiteatro grego de Herodes. Jarre convidou 50 fãs para assistir aos ensaios um dia antes, junto com a imprensa e várias crianças. Todo o dinheiro arrecadado com os shows, foram investidos na construção de um novo hospital para crianças com câncer. Durante os concertos, Jarre contou com o guitarrista Patrick Rondat que não participava da Le Tribe desde 1995.

Ainda em 2001, Jarre se envolveu em vários projetos, como o designer interno da nova loja da Bang & Olufsen na Champs Elysées, em Paris. A loja conta com um sistema de vídeo e som criados por Jean-Michel exclusivamente para o local. Na inauguração da loja, em outubro, Jarre presenteia os convidados e VIP’s, com um CD especial e exclusivo chamado “Interior Music”, com duas faixas inéditas que foram compostas por ele.

Em dezembro, uma nova rede de TV a cabo francesa é inaugurada. A “Match TV” conta com vários jingles inéditos de Jarre. Ainda no final do ano, ele produz em seu estúdio Croissy, um single para o comediante Pierre Palmade, intitulado “J’te Flashe J’te Love”. Nada mais é do que a musica “My Name is Arthur” da banda The ViZitors, com uma nova letra escrita por Palmade.

Jarre, um liberal convicto, sempre lutou por causas nobres. Em 2001, liderou um grupo de artistas europeus contra o que ele chama de abuso aos diretos humanos, quando o Governo do Egito (de maioria muçulmana) prendeu ativistas homossexuais. Jarre criou uma petição para a libertação destes ativistas. Em outra demonstração liberal, reuniu vários artistas franceses contra o candidato de extrema-direita à Presidência da França, Jean-Marie Le Pen, para um protesto em frente ao Museu de Arte Moderna George Pompideu, em maio de 2002.

No mesmo ano participa de um Audio Brunch para o Festival Printemps de Bourges, onde defende a música concreta de Pierre Shieffer. Realiza seu primeiro evento fora do contexto urbano, nos arredores de Aalborg, na Dinamarca. O concerto “Aero foi realizado em um campo de moinhos de energia eólica. Na ocasião duas faixas inéditas são apresentadas aos fãs.

Para fechar aquele ano, no mês de novembro, a Dreyfus lança em alguns países europeus e nos EUA, o álbum “Sessions 2000”, uma coleção de faixas “jazz electro” gravadas junto com Francis Rimbert que não chegou a agradar muito seus fãs, mas foi bastante elogiado pela crítica especializada. O lançamento deste álbum não teve qualquer divulgação, pois ele foi feito para finalizar seu contrato com Francis Dreyfus. O relacionamento com o seu produtor de longa data esfriou, e ele decidiu romper com o selo após vários anos juntos. A partir deste momento, Dreyfus começará a fazer lançamentos e relançamentos sem qualquer envolvimento ou autorização do artista. Suas pendências passam a ser resolvidas em disputas judiciais.

Jarre representa os artistas mundialmente

No início de 2003, a Disques Dreyfus (sem autorização) relança o álbum “Les Granges Brûlées”, em comemoração aos 30 anos de lançamento do filme. É a primeira vez que uma gravação do período pré-Oxygene é lançada oficialmente em CD.

Em abril é lançado no Japão o filme “Qui Veut Devenir une Star?”, dirigido por Patrice Pooyard e com trilha sonora de Jean-Michel. As músicas compostas por Jarre para esse filme são inéditas e nunca foram lançadas oficialmente, sendo econtradas apenas no YouTube e em álbuns bootlegs.

Jarre discursando na Assembleia do CISAC

No dia 06 de Junho, Jean Michel Jarre foi eleito o novo Presidente da CISAC (Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores). Ele sucedeu o pintor Hervé Di Rosa, que tinha sido o presidente interino, desde a morte do músico Robin Gibb, da banda Bee Gees em 2012, eleito um ano antes. Em seus discursos pela CISAC, Jarre joga duro contra aqueles que querem ganhar em cima dos artistas e seus direitos sem repassar os lucros para os mesmos. Principalmente grandes empresas e corporações como Google e Apple ou países cuja legislação não é suficiente para a proteção intelectual ou autoral dos artistas, como é o caso do Brasil, China, Espanha e Canadá.

Em agosto, Jarre assina com a Warner Music para lançar seus álbuns nos próximos anos. Cria também, em parceria com o filho David, a Aero Productions, empresa que substituirá a Disques Dreyfus como sua produtora oficial, e será também a organizadora de seus shows.

O primeiro projeto com a Warner foi o álbum “Geometry of Love”, uma trilha sonora lounge criada para a Vip Room, uma casa noturna de Paris e da Riviera Francesa. Na época, o CD não teve distribuição internacional e foi destinado principalmente para o mercado europeu.

Em outubro, Jarre foi notícia ao defender no Parlamento Europeu, junto com outros colegas músicos, a redução das taxas sobre produtos musicais.

A Disques Dreyfus, como forma de queimar seus últimos cartuchos, solta no começo de 2004, a coletânea “The Essential” com 16 faixas. Novamente sem o apoio do artista.

Jarre lança o álbum “AERO” em CD e DVD (o primeiro do mundo a ser compilado nota por nota em 5.1 Surround Sound), com regravações de seus maiores sucessos e três músicas inéditas. O encarte do álbum conta com fotos de fãs de várias partes do mundo, incluindo brasileiros.

O retorno à China

Jarre e sua harpa laser na China
Jarre e sua harpa laser na China

Em 10 de outubro de 2004, Jarre volta a se apresentar na China, agora dentro da Cidade Proibida, em Pequim. Este show foi patrocinado pelo governo francês para a abertura do ‘Ano da França na China’ e foi o primeiro show do mundo a ser executado em som 5.1 e processado em THX Sound.

Em 2005, Jarre foi convidado de honra para participar do evento em homenagem ao dinamarquês Hans Christian Andersen, consagrado escritor de contos infantis para celebrar os 200 anos de seu nascimento.

O terceiro casamento de Jarre ocorre em maio, desta vez com a atriz francesa Anne Parillaud. O pai Maurice Jarre, compôs uma marcha nupcial especialmente para o casamento do filho.

Realiza 2 mini-concertos em um cassino de Mônaco e em 26 de agosto, apresenta o concerto “Space of Freedom” no estaleiro de Gdansk, na Polônia, durante as comemorações dos 25 anos do Partido ‘Solidariedade’. O evento foi gravado e lançado em CD e DVD.

Em 2006, após 2 anos de produção em estúdio, a Orquestra Filarmônica de Praga lança um CD duplo e DVD, intitulado “The Symphonic Jean Michel Jarre”, com versões orquestradas de seus sucessos. No final daquele ano, a convite da UNESCO, Jarre realiza um concerto nas dunas do Saara em Merzouga, no Marrocos. O show intitulado “Water for Life” foi transmitido ao vivo pela TV.

30 anos da revolução musical eletrônica

Jarre na gravação do DVD Oxygene 30 anos
Turnê comemorativa dos 30 anos do Oxygene

No final de março de 2007, Jarre lança o  álbum “Téo & Téa”, um novo experimento, voltado à música pop-eletrônica que acabou não agradando aos fãs. Anos depois o artista pediu desculpas pelo álbum fracassado. Jarre realiza dois showcases, na Bélgica e em Cannes, e se apresenta como DJ em uma casa noturna de Paris, para a divulgação deste projeto.

No final do ano, Jarre assina com a E.M.I. e regrava Oxygene, para comemorar o trigésimo aniversário do álbum. Além dessa nova versão, um DVD é gravado nos estúdios da Alfacam em Lint, na Bélgica, no dia 19 de setembro. Jean-Michel Jarre, acompanhado de Francis Rimbert, Claude Samard e Dominique Perrier, tocou o álbum na íntegra. Essa interpretação, intitulada “Live in Your Living Room”, foi filmada em 3D e apresenta novas faixas de transição que são inseridas entre as partes originais, adicionando 20 minutos de material inédito. Para promover o álbum, Jarre realizou 10 concertos em Paris, de 12 a 26 de dezembro no Théâtre Marigny. O sucesso dessas apresentações, deu início à “Oxygene Live Tour” que passou por várias arenas da Europa durante o ano de 2008.

Em maio de 2009, Jean Michel Jarre sai novamente em turnê pela Europa com a “In Doors Arena Tour”. Agrada em cheio os seus fãs e promete no ano seguinte repetir o sucesso e estender para outros países.

Jarre retorna com a turnê “2010”, mas não conseguiu sair da Europa. Na verdade, houve apenas um concerto em Beirute, no Líbano e outro em Istambul, na Turquia, sendo que esse último, foi do lado europeu da cidade Alguns concertos desta fase, foram realizados de forma outdoor com a mesma estrutura da indoor. A turnê continuou em 2011.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0